Sacolões do governo entregues aos alunos da rede pública estão superfaturados em cerca de 50%

Sacolões do governo entregues aos alunos da rede pública estão superfaturados em cerca de 50%

Preço da cestas no comércio local é de R$ 63; Estado está pagando quase R$ 100

Tempo de calamidade público é temporada aberta para muita coisa ilegal ser feita sob o manto da necessidade emergencial. 

O Acre está sob o decreto de calamidade pública.

Essa é a lógica que parece ter sido seguida pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação e Esporte (SEE), para adquirir os sacolões que foram e estão sendo doados para as famílias dos estudantes da rede estadual de ensino.

Com grande estardalhaço e amplo espaço na mídia, o governador Gladson Cameli anunciou a entrega das cestas básicas.

Cameli fez pose com os sacolões. Provavelmente desconhecia o peso que os produtos acomodados em  sacos plásticos pode ter na imagem do seu governo.

 O fardo a ser carregado é pesado e mexe diretamente no bolso do contribuinte acreano.

Os sacolões podem estar superfaturado. 

Para atender as regionais do Baixo e Alto Acre, Purus e Tarauacá/Envira, a SEE fez uma dispensa de licitação emergencial no valor de R$ 3.230.904,50, para a empresa entrega 34.175 sacolões.

Cada cesta básica sairá ao erário por R$ 94,54, num superfaturamento superior cerca de 50% do preço praticado no mercado.

A reportagem Portal fez uma pesquisa nos principais supermercado de Rio Branco. O preço médio de um sacolão com os mesmos produtos é de R$ 63,00. Há lugares um pouco mais caro e outros um pouco mais barato. 

Com a aquisição em grande quantidade e sem licitação, o governo poderia negociar direto com as empresas que geram empregos e conseguir um preço mais barato. 

Com os mesmos R$ 3.230,904,50, a SEE poderia ter comprado, em vez de 34.175, 51.284 sacolões. A diferença é grande.

Mas, estranhamente, a SEE não transacionou com empresas maiores preferiu negociar com um pequeno comércio instalado no bairro Estação Experimental, cujo capital social é de apenas R$ 100 mil.

Muito provavelmente tem algo errado ai. 

Os órgãos de controle têm o fio condutor para uma investigação. 

Outro ponto a ser levantado é que a merenda escolar não se resume aos produtos do sacalão. 

Há legumes, com previsão de aquisição de produtores locais, o que não está acontecendo, bem proteína, que também não está contemplada no material entregue às famílias. 

A SEE, que é comandada pelo ex-padre  Mauro Sérgio Ferreira, vem sendo alvo de denúncias constantes. 

O próprio Gladson Cameli denunciou uma suposta máfia da merenda. Foi deito grande estardalhaço, mas  coisa esfriou. O risco é estragar.

Outras denúncia partiu do vice-governador Wherles Rocha sobre o superfaturamento de R$ 3 milhões na compra de computadores. Nada foi apurado. 

Este Portal denunciou que a empresa assinou o contrato superior a R$ 10 milhões em um dia e recebeu no outro. Veja a matéria aqui. 

A empresa C. Com Importação e Exportação é do genro do deputado José Bestene, que é do mesmo partido do governador.

O silêncio não pode ser a resposta.

Nem a omissão dos parlamentares e dos órgãos de controle tolerada.  

Leonildo Rosas

Related Posts

Direção do Deracre comete improbidade administrativa em contrato financiado com recurso da União

Direção do Deracre comete improbidade administrativa em contrato financiado com recurso da União

Alysson Bestene deixa a Saúde pacificada e terá a missão de ajudar a pavimentar o caminho para a reeleição de Gladson

Alysson Bestene deixa a Saúde pacificada e terá a missão de ajudar a pavimentar o caminho para a reeleição de Gladson

VÍDEO: Casa de Acolhida Souza Araujo tem energia cortada

VÍDEO: Casa de Acolhida Souza Araujo tem energia cortada

Jorge Viana inicia por Assis Brasil retomada de andanças pelo Estado e visita os municípios do Alto Acre

Jorge Viana inicia por Assis Brasil retomada de andanças pelo Estado e visita os municípios do Alto Acre

2 Comments

Deixe uma resposta