Governo anuncia economia de R$ 22 milhões na Saúde, mas qual o preço disso em vidas?

Governo anuncia economia de R$ 22 milhões na Saúde, mas qual o preço disso em vidas?

“Faltam equipamentos e medicamentos nos hospitais, resultando em mortes de pacientes”.

A frase é da nota dura que o Sindicato dos Médicos emitiu, no mês passado, para responder ao ataque que o governador fez à categoria.

Desde então, as denúncias de inexistência de medicamentos, equipamentos e de pessoal nas unidades de saúde do Estado são constantes.

São diárias.

A crise é visível e sentida por quem necessita de atendimento.

Mesmo assim, o governador e o secretário de Saúde, Alysson Bestene, parecem anestesiados.

E querem anestesiar a população com discurso que não condiz com a realidade.

Desnecessário ser especialista para comprovar que diagnóstico é grave.

Que necessita de intervenção para além das manchetes de sites e jornais poucos comprometidos com a verdade.

Se não vejamos.

Ha cerca de duas semanas, o governador Cameli anunciou que o governo estaria adquirindo R$ 386 milhões em medicamentos.

Não disse como seria feita a aquisição e nem de onde viria o dinheiro para comprar um estoque capaz de abastecer o sistema por três anos.

Mais modesto, Alysson Bestene baixou o valor para R$ 2 milhões.

Essa dança de números é uma loucura.

Enquanto os seus superiores falam em investimentos, o gerente do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos da Secretaria de Saúde, Marcos Aurélio de Nogueira da Silva, vem dizer que foram economizados mais de R$ 22 milhões em materiais hospitalares.

Vangloria-se de ter recebido diversas doações.

Supondo que a declaração seja verdade, a que preço foi feita essa economia?

Quantas vidas foram perdidas para o governo economizar.

Até dezembro do ano passado, o Acre investia até 18% do seu orçamento na Saúde pública, quando a Constituição determina 12%.

Éramos o terceiro estado que mais fazia investimentos no setor.

Mesmo assim os investimentos nunca foram suficientes. E nem serão.

Cerca de 95% da população acreana recorre ao Sistema Único de Saúde para fazer tratamento.

Esse percentual salta para 99% quando o caso é de alta complexidade.

Economizar não é o melhor remédio.

Em vez de economia, o que há é a certeza de que o Estado deixou de suprir a rede estadual de Saúde com medicamentos e equipamentos com valores que superam os R$ 22 milhões.

O atendimento, que está péssimo, pode piorar.

Não há o básico. Não há busca efetiva de soluções.

O Secretário de Saúde pensa nos remédios para idosos sendo entregues pelos Correios, enquanto nos pronto-atendimentos as pessoas morrem por falta de antibiótico.

A escala de médicos, aparentemente, está cheia, mas os profissionais sabem que está vazia.

Existiu, no último domingo, um único médico para dois setores essenciais no pronto-socorro: unidade de dor torácica e sala de emergência clínica.

Imagine o médico tendo que escolher entre salvar um infartado e salvar uma pessoa com problemas respiratórios graves.

Assim, economizando em tudo, medicamentos, gazes, seringas, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e o pagamento dos plantões fica fácil arrotar economia

O problema é que população mais necessitada está pagando em dobro com o sofrimento e a perda dos seus entes queridos.

Leonildo Rosas

Related Posts

MPF, MP/AC e DPU recorrem ao TRF1 para garantir melhorias no Programa Mais Médicos no Acre

MPF, MP/AC e DPU recorrem ao TRF1 para garantir melhorias no Programa Mais Médicos no Acre

SUS em risco: Governo assina decreto de parcerias privadas em Unidades Básicas de Saúde

SUS em risco: Governo assina decreto de parcerias privadas em Unidades Básicas de Saúde

MPF, MPAC e DPU movem ação para melhorias no Programa Mais Médicos no Acre

MPF, MPAC e DPU movem ação para melhorias no Programa Mais Médicos no Acre

Programa Medicamento em Casa: veja quem tem direito e como ter acesso a este serviço da Prefeitura de Rio Branco

Programa Medicamento em Casa: veja quem tem direito e como ter acesso a este serviço da Prefeitura de Rio Branco

No Comment

Deixe uma resposta

Colunistas

Encontre-nos

Endereço
Av. Paulista, 123456
São Paulo, SP, CEP: 01311-300

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h