More
    HomeDEU NO ESTADÃOPGR pede venda de jatinho e cinco carros de luxo de Cameli...

    PGR pede venda de jatinho e cinco carros de luxo de Cameli avaliados em R$ 4,5 milhões

    Em parecer ao STJ, subprocurador aponta ‘risco de deterioração e desvalorização’ de bens do governador do Acre, investigado por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro; valor arrecadado seria depositado em juízo para ressarcir Estado em caso de condenação

    Blog do Fausto Macedo

    O subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos requereu ao Superior Tribunal de Justiça a venda de um avião e cinco carros de luxo do governador Gladson Cameli (PP), investigado na Operação Ptolomeu como suposto líder de um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na cúpula do Governo do Acre.

    De acordo com laudo da Polícia Federal, os bens que o Ministério Público Federal quer alienar resultariam em um embolso de R$ 4,5 milhões. O pedido será analisado pela ministra Nancy Andrighi, relatora da Ptolomeu no STJ.

    LEIA A ÍNTEGRA DA MANIFESTAÇÃO

    O governador acreano está no centro de uma investigação que se debruça sobre supostos desvios no bojo de obras de infraestrutura e manutenção de unidades de saúde e escolas, além de fraudes em contratações, superfaturamento de contratos, pagamentos de propinas e lavagem de dinheiro. 

    Cameli foi o alvo principal da terceira etapa da Ptolomeu, aberta em março deste ano. A Polícia Federal suspeita que o governador tenha comprado carros e imóveis para lavar o dinheiro supostamente desviado dos cofres públicos com o superfaturamento de contratos.

    Agora, o Ministério Público Federal pede que os bens do governador sejam colocados à venda, antes mesmo de sua condenação no bojo da Ptomoleu, alegando dificuldade em manter os itens acautelados pela Justiça, assim como sua ‘deterioração’. Os item a serem alienados são:

    • Chevrolet Cruze com blindagem – avaliado em R$ 195,9 mil;
    • Land Rover Discovery – avaliado em R$ 530 mil;
    • VW Jetta – avaliado em R$ 185,8 mil;
    • BMW X6 XDrive – avaliado em R$ 102,6 mil;
    • VW Amarok CD – avaliado em R$ 176,4 mil;
    • aeronave Beech Aircraft 8 – avaliada em R$ 3,4 milhões;

    O subprocurador sustentou ao STJ que a possibilidade de alienação antecipada está prevista na Lei de Lavagem de Dinheiro. A medida tem o objetivo de ‘preservar o valor dos bens sempre que estiverem sujeitos a qualquer grau de deterioração ou depreciação, ou quando houve dificuldade para sua manutenção’, alegou.

    “Na ocorrência de risco de deterioração e desvalorização da aeronave e dos veículos elencados, a medida mais adequada é a venda antecipada dos bens, com posterior depósito do produto da alienação em conta vinculada ao juízo até o julgamento”, destacou Carlos Frederico Santos. 

    Caso o governador seja condenado, o valor seria convertido para a Fazenda Pública. Se Cameli for absolvido, o montante seria devolvido.

    Carlos Frederico Santos justifica o pedido de alienação na impossibilidade de Cameli ser nomeado ‘fiel depositário’ dos bens. O subprocurador também embasou o pedido em laudo da Polícia Federal que aponta o valor de mercado dos automóveis, assim como seu estado atual. O documento estimou os valores de imóveis do governador:

    • Casa em Condomínio em Rio Branco, estimada em R$ 3,1 milhões;
    • Apartamento no Condomínio Edifício Lake View Resort em Brasília, estimado em R$ 580 mil;
    • Apartamento na Avenida Rebouças, em São Paulo, estimado em R$ 4,2 milhões;

    Frederico Santos não defendeu a venda antecipada dos imóveis. Segundo ele, a urgência da alienação dos mesmos é ‘indiscutivelmente menor’ que a verificada para os carros e o avião de Cameli – ‘de depreciação mais acentuada e de maior dificuldade para a respectiva guarda corpórea sob os cuidados policiais’.

    COM A PALAVRA, O GOVERNADOR

    A reportagem busca contato com a defesa de Gladson Cameli. O espaço está aberto para manifestações.

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    vale a leitura