More
    HomeDEU NO ESTADÃOSTJ nega anular provas e mandar para Justiça Eleitoral Operação Ptolomeu que...

    STJ nega anular provas e mandar para Justiça Eleitoral Operação Ptolomeu que atribui corrupção a Gladson Cameli

    Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça negou pedido da defesa do governador do Acre, principal alvo do inquérito

    Por Rayssa Motta

    ESTADÃO/BLOG DO FAUSTO MACEDO

    A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ)negou nesta quarta-feira, 19, transferir a investigação da Operação Ptolomeu para a Justiça Eleitoral. O julgamento foi unânime.

    O principal alvo do inquérito é o governador do Acre, Gladson Cameli (PP), que segundo a Polícia Federal (PF) estaria no centro de um amplo esquema de corrupção. Ele sempre negou as acusações e afirma que investigação caminha há dois anos sem conclusão.

    A defesa do governador argumenta que a própria Polícia Federal teria feito referência a supostos pagamentos de propina para caixa dois de campanha. Desde 2019, os casos de corrupção relacionados a crimes eleitorais são processados na Justiça Eleitoral.

    Os ministros concluíram, no entanto, que não há dados objetivos que apontem conexão com crimes eleitorais e justifiquem a transferência da investigação.

    “Os valores supostamente desviados do erário foram possivelmente destinados a majorar o patrimônio do governador e do seu núcleo familiar e viabilizar a continuidade do funcionamento da organização criminosa investigada nos autos. A remessa dos autos à Justiça Eleitoral não prescinde de elementos razoáveis que denotem a suposta prática de crime eleitoral”, defendeu a ministra Nancy Andrighi, relatora do caso, seguida por todos os colegas.

    O STJ também negou um pedido para anular provas obtidas a partir da apreensão do celular do governador. As mensagens encontradas no aparelho foram classificadas como ‘chocantes’, ‘estarrecedoras’ e ‘gravíssimas’ pelos investigadores.

    O tribunal não viu irregularidade na apreensão. “A autoridade policial agiu de acordo com as balizas constitucionais”, defendeu a ministra.

    A Operação Ptolomeu investiga crimes de organização criminosa, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e peculato.

    A PF afirma ter descoberto desvios em setores sensíveis da administração estadual, como Saúde e Educação, e em áreas estratégicas, como Infraestrutura, frequentemente cooptada em esquemas de corrupção por causa das obras vultuosas.

    Familiares do governador, servidores e empresários também são investigados. Os desvios, segundo o cálculo parcial dos investigadores, podem chegar a mais de R$ 16,3 milhões.

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    vale a leitura