TV Espinhosa – Não adianta jogar sério contra Gladson Cameli, o jogo tem que ser nas regras da pelada política

Defendo que o combate político ao governador Gladson Cameli não seja feito em cima de coisas sérias.

Ele não é sério.

O que penso pode chocar a quem crer que devemos debater grandes temas.

Mas como fazer isso diante do que vemos?

Diante de uma esculhambação generalizada?

A TV Espinhosa está no ar.

Gladson Cameli não é sério. Isso é de domínio público.

Portanto, não deve ser levado a sério.

Quem quiser derrotá-lo, deve ir para o seu campo, descer ao seu nível.

Não adianta falar que ele nada fez na Saúde, na Educação, na Segurança ou na produção.

Valerá menos se dizer que desrespeita o funcionalismo público e que prefere contratar as empresas de Manaus em detrimentos dos empreendedores locais.

Além de não ter um projeto para o Acre, Gladson comanda um governo notadamente marcado por escandalosos casos de corrupção.

Qualquer pessoa indagada sobre o comportamento do governador não vacila em chamá-lo de mentiroso.

De patranheiro.

De potoqueiro.

Embora todos saibam das suas fragilidades, nada de ruim tem pegado nele.

Há uma proteção bem remunerada da imprensa.

Os órgãos de controle deixaram de cumprir o papel de controlar.

Combater Gladson Cameli exige apontar o que ele finge que é, mas não é.

Até agora, o rapaz, que usa no pulso relógios de mais de cem mil reais, é vendido como uma pessoa simples.

Que senta no meio da rua para atender aos mais humildes.

Tudo faz parte da montagem de um personagem para um ator canastrão.

Gladson está longe ser simples.

Uma das suas sapatilhas de grife é suficiente para alimentar dezenas de famintos que ocupam as esquinas das ruas das nossas cidades.

O governador humilde entre aspas não construiu uma casa popular, mas dispõe de espaço maior do que uma casa para guardar os seus aviões em miniaturas.

Gladson Cameli é o cara que não sustenta em pé o que diz sentado ou vice-versa.

Mas é o cara favorito a ficar mais três anos e meio na cadeira de governador.

Digo três anos e meio porque, mesmo dizendo que não precisa de política para viver, já está pensado nas eleições de 2026, quando pretende retornar ao Senado, caso seja reeleito em 2022.

Assim é Gladson Cameli, uma pessoa que, brincando, vai enrolando o eleitor e obtendo sucessivos mandatos.

Por falar em enrolar, ele disse não saber que a lei aprovada na Assembleia Legislativa para acomodar os servidores do extinto Igesac na Sesacre é inconstitucional.

Mente.

A Lei foi elaborada pela Procuradoria-Geral do Estado com a sua anuência.

Todos sabiam da sua inconstitucionalidade.

Será que o Gladson realmente não sabia?

O que esperar de uma pessoa que disse ter amnésia para não cumprir as suas promessas de campanha?

Contra Gladson é melhor jogar pelada.

Isso se quiserem ter chance.

Gladson Cameli é um peladeiro na política.

É bom os seus opositores aprenderem a jogar.

Passa da hora de jogar meia hora de macaca.

========

Essa vai doer.

======

Resgataram um vídeo do governador dizendo que pagará o décimo terceiro no dia 13 do mês 13.

Veja:

Vixe!!

Esse homem é obcecado pelo PT.

Vôte!!

Fui!!

Vida que segue.

Se quiser e puder, contribua para o Espinhoso permanecer na luta.

A chave PIX está no fim do vídeo.

Tchau, forte abraço e um cheiro do Rosas.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami