Sem merenda mas escolas, reinício das aulas presenciais ficam para outubro

O governo não fala, mas o principal motivo para o adiamento do retorno à aulas presenciais foi trazido a público aqui neste Portal: trata-se da falta de materiais necessários para a merenda escolar.

Esta semana houve muita confusão na Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE) exatamente porque não houve o planejamento necessário para que as licitações fossem realizadas e os produtos adquiridos.

Além da falta de gestão, empresários receiam vender para o governo com o medo de não receber ou serem alvo de operações policiais.

Em Cruzeiro do Sul, terra de Gladson Cameli, um empresário declarou aos amigos: “A gente corre dois riscos ao vender para o governo. O primeiro é levar calote. O segundo é acordar com a polícia na porta”.

O temor não injustificado.

Empresários e servidores públicos foram presos por cometerem atos ilegais na aquisição de produtos para a merenda escolar.

O próprio governador Gladson Cameli declarou que os fornecedores recebiam como se tivessem vendido filé, mas entregavam carne de pescoço.

A secretária Socorro Neri foi pessoalmente ao Departamento de Alimentação Escolar tomar satisfação. Disse muitas coisas e ouviu outras tantas. O chefe do setor foi exonerado e vários outros servidores remanejados.

As aulas estavam previstas para iniciar no próximo dia 8, mas a data foi alterada para 4 de outubro.

No grupo de diretores de escolas a insatisfação é generalizada.

Veja a nota assinada por Socorro Neri:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami