Referência no Acre, Realize Assessoria de Corrida encerra atividade em 2020 com suor, alegria e harmonia

Referência no Acre, Realize Assessoria de Corrida encerra atividade em 2020 com suor, alegria e harmonia

A frase de um dos maiores ativistas pelos direitos civis da história americana simboliza, de certa forma, o que é o prazer de lutar para percorrer alguns quilômetros sentindo o vento no rosto, os pés no asfalto e a cabeça o infinito.

Num dos seus célebres discursos, Martins Luther King disse: – Se não puder voar, corra. Se não puder correr, ande. Se não puder andar, rasteje, mas continue em frente de qualquer jeito.

A frase, embora não tenha sido proferida no contexto esportivo, se encaixa como uma luva na vida daqueles e daquelas que escolheram a corrida como prazer, diversão, esporte e meio de cuidar da saúde.

Corrida é o mais democrático dos esportes. Quem impõe os limite é o próprio corredor.

Para o corredor, seja amador ou profissional, o caminho é detalhe. O que importa é a forma de caminhar. Ou melhor: de correr.

São vários tipos de atletas, diversos os objetivos, mas todos sabem que o importante é o chegar.

Há os que voam, que buscam superar o tempo e diminuir o pace.

Os que simplesmente correm.

Os que andam e até os que rastejam.
Cada um, a sua maneira, busca na superação a razão de continuar seguindo em frente.
A cada passada, um desafio superado.

Corrida de rua não é apenas pensar e liberar adrenalina, serotonina e endorfina.

É muito mais.

É sentir no corpo a liberdade na cabeça, de soltar os pensamento num voo livre, cuja linha imaginária da chegada transporta o corredor ao infinito.

Correr é uma viagem.

Uma viagem que, a cada dia, ganha mais e mais adeptos.

Grupos que se reúnem nas madrugadas para treinar, interagir, fazer amizades.

Corrida é solidariedade.

Há assessoria especializadas, que permitem o aprimoramento, com técnicas, na forma de correr.

Uma dessas assessorias é a Realize Assessoria de Corridas.

Idealizada pelo professor Mailson Leal, a Realize tornou-se referência por, de certa forma, ser uma espécie de prolongamento familiar dos alunos.

Mais do que treino, há diversão.

Neste sábado, a Realize promoveu o último “longão” do ano.

Às 5 horas, em ponto, foi dada a largada do aeroporto internacional Plácido de Castro.

Foi uma festa.

O desafio da distância e das ladeiras é “comido” e saboreado com suor, alegria e muito pé no asfalto.

São 13 quilômetros.

É bom fazer o que se gosta.

Melhor ainda é sentir no corpo que é possível se superar a cada passada.

Os alunos da Realize carregam o sentimento de felicidade e realização ao cruzar a linha de chegada.

Terminam com o sabor de quero mais.

Nessas hora sempre é bom lembrar do médico nacionalmente conhecido Drauzio Varella.

Ele começou a correr tarde.


Certo dia, o médico cruzou com um conhecido de colégio que não via havia muito tempo. Daquela conversa arrastada, um comentário do amigo o marcou: – Ano que vem, 50 – em que tem início a decadência do homem”.


Drauzio, que completaria meio século de vida no ano seguinte, ficou intrigado. Afinal, sentia-se bem, corria ocasionalmente e estava sem fumar fazia 13 anos. E, principalmente, ainda tinha muitos projetos e desejos a realizar. Resolveu, então, propor um desafio a si mesmo: correria a Maratona de Nova York dali a um ano.


Ele não correu apenas a Maratona de Nova York. Com quase 80 anos de idade, é maratonista desde então.


“O corpo humano não foi feito para ficar parado. A evolução nos preparou para o movimento”, ensina o médico.


Para iniciar os primeiros passos na corrida não há idade certa.
Correr é realizar sonho.

Nunca é tarde para realizar esse sonho.

Dê as primeiras passadas e Realize.

Eu rascunhei esse texto correndo. Fiz os 13 quilômetros quase rastejando.


Com o percurso concluído, voei para juntar as palavras e escrever esse texto.

Sempre com o sentimento de querer sempre mais.

Leonildo Rosas

Related Posts

Adversária do Brasil, Venezuela tem doze casos de Covid; Conmebol retira limite de trocas de convocados

Adversária do Brasil, Venezuela tem doze casos de Covid; Conmebol retira limite de trocas de convocados

Vítima de covid-19, morre o técnico do Plácido de Castro

Vítima de covid-19, morre o técnico do Plácido de Castro

Nas mãos de Weverton

Nas mãos de Weverton

Vítima de covid-19, morre o ex-zagueiro Cleiber Amaral

Vítima de covid-19, morre o ex-zagueiro Cleiber Amaral

No Comment

Deixe uma resposta