O piloto sumiu: sem governo, Brasil assiste à corrida maluca por vacina

O piloto sumiu: sem governo, Brasil assiste à corrida maluca por vacina

Por Ricardo Kotscho

Não deu outra. No dia seguinte ao anúncio de que São Paulo irá iniciar a vacinação contra a Covid-19, no dia 25 de janeiro, governadores e prefeitos de outros Estados correram para cobrar em Brasília um plano nacional de imunização para todo o país.

Chegando lá, tiveram uma surpresa: o piloto sumiu, bem no momento em que a pandemia volta a registrar índices alarmantes de contaminações e óbitos.

Descobriram que não há plano algum, nem para a compra de seringas e agulhas, muito menos para vacinar uma população de 212 milhões de brasileiros.

“Se um estado começar isoladamente a fazer vacinação, o Brasil inteiro vai correr para lá. Vai ter uma situação gravíssima. Ou seja, tem que pensar em um plano nacional”, alertou, assim que chegou ao Palácio do Planalto, o governador do Piauí, Wellington Dias, presidente do Consórcio Nordeste..

Ronaldo Caiado, governador de Goiás, criticou a possibilidade de que um estado tenha acesso à vacina e outros não: “O governo federal precisa assumir a distribuição das vacinas em todo o país. Isso não pode se transformar numa corrida maluca”.

O problema é que essa corrida maluca já começou e, simplesmente, não há vacinas para distribuir a todos.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, resolveu reagir à inércia do governo federal. Hoje mesmo, entrou com ação no Supremo Tribunal Federal pedindo autorização para comprar vacinas aprovadas em outros países.

Fátima Bezerra, governadora do Rio Grande do Norte, quer que o governo estabeleça um cronograma para a vacinação, que já deveria estar pronto há muito tempo.

Faz pelo menos seis meses que o mundo esperava as primeiras vacinas para o final desse ano, mas o general da Saúde, Eduardo Pazuello, perdido em seu labirinto, cada dia anuncia uma coisa diferente. Ele já disse que só cumpre as ordens que recebe do presidente.

“O que o Brasil espera é uma posição clara do governo federal. Precisamos de calendário, de data, precisamos desse programa definido”, reivindicou a governadora, mas parece que ninguém ouviu.

Sem esperar nada da reunião no Palácio do Planalto, Gladson Cameli, governador do Acre, resolveu ir às compras por conta própria. Depois de conversar com o governador paulista, João Doria, Cameli já agendou uma visita ao Instituto Butantã na quarta-feira para fechar a compra de vacinas.

Nota da Confederação Nacional de Municípios pede para o governo federal comprar e distribuir “todas as vacinas reconhecidas como eficazes e seguras contra a Covid-19″. “O governo federal precisa assumir sua responsabilidade prevista na legislação para evitar o acirramento do conflito federativo”, diz a nota.

Mas, até o início da tarde, governadores e prefeitos estavam falando sozinhos. Ninguém do governo federal tinha dado um pio.

Como se não tivesse nada com isso, o presidente Bolsonaro continua achando que tudo não passa de “conversinha da imprensa” e está mais preocupado em garantir a maioria de militares na diretoria da Anvisa, que é quem pode liberar as vacinas.

Só no Brasil, em todo o mundo civilizado, o planejamento do combate à pandemia foi entregue nas mãos de militares, que não são do ramo.

Para não passar recibo à iniciativa do governador paulista de marcar data para iniciar a vacinação em janeiro, em sua guerra particular o ocupante do Palácio do Planalto não se importa em colocar sob risco milhares de vidas que poderiam ser salvas com a vacinação em massa.

Nenhum inimigo externo seria capaz de tamanha maldade contra o Brasil.

Se as instituições estivessem funcionando, como dizem, já teria havido uma intervenção neste desgoverno federal.

O que mais estamos esperando?

Basta decretar a vacância do poder.

Vida que segue.

Veja a publicação original no UOL.

Leonildo Rosas

Related Posts

Bolsonaro continua senhor das redes sociais com 39,9 milhões de seguidores

Bolsonaro continua senhor das redes sociais com 39,9 milhões de seguidores

Mordomias do governo, 45 anos depois do Estadão, já não causam escândalo

Mordomias do governo, 45 anos depois do Estadão, já não causam escândalo

Resposta à coluna sobre PT e eleições: “É prudente deixar que a urna fale”

Resposta à coluna sobre PT e eleições: “É prudente deixar que a urna fale”

Aos 40 anos, PT chega às eleições envelhecido, sem votos e sem rumo

Aos 40 anos, PT chega às eleições envelhecido, sem votos e sem rumo

No Comment

Deixe uma resposta