Não nos esqueçamos de Eliza Samúdio; porque vidas femininas importam

Não nos esqueçamos de Eliza Samúdio; porque vidas femininas importam

Perpétua Almeida*

O valor da vida foi colocado em xeque pelo Rio Branco Futebol Clube, no Acre. Ao anunciar a contratação do goleiro Bruno Fernandes, neste domingo (26), como um de seus maiores feitos, o clube reforça a máxima de que o crime compensa e que a vida não tem valor.


Bruno Fernandes cumpre prisão no regime semiaberto pelo assassinato de Eliza Samúdio, em 2010. Quem não se lembra das manchetes?

Apesar de a polícia ainda não ter comprovado a versão, as denúncias dão conta de que Bruno, o agora goleiro anunciado pelo presidente do Rio Branco, mandou esquartejar a mãe do seu filho e dar sua carne aos cachorros.

Bruno foi condenado há 20 anos e 9 meses pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza e pelo sequestro e cárcere privado do filho que ele se negou a reconhecer, pivô do assassinato.


Nosso estado, segundo todas as pesquisas e matérias na midia, é um dos mais violentos para as mulheres, com uma taxa de homicídios dolosos de sete mortes a cada 100 mil mulheres e de 2,5 feminicídios a cada 100 mil mulheres.

Com esses números, qual recado quer passar o Rio Branco com esta contratação? Que respeito tem pelas mulheres?


O Brasil é o país do futebol e seus jogadores são capazes de arrastar multidões. É essa a referência que o clube quer para sua torcida infantil, para seus jovens, homens e mulheres? Um assassino cruel, que mandou matar a ex-namorada para não reconhecer o filho?


Precisamos levantar nossas vozes e mostrar nossa indignação com essa contratação.

Bruno Fernandes tem sangue nas mãos! Outros clubes voltaram atrás depois da repercussão negativa da tentativa de contratação do goleiro. Espero que o Rio Branco faça o mesmo e mostre que a vida importa.

* Perpétua Almeida é deputada Federal e líder do PCdoB na Camara dos Deputados

Leonildo Rosas

Related Posts

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

A MENTIRA COMO MÉTODO DE (DES)CONSTRUÇÃO POLÍTICA

A MENTIRA COMO MÉTODO DE (DES)CONSTRUÇÃO POLÍTICA

A frágil “capacidade executiva” é hoje o maior problema do governo Gladson

A frágil “capacidade executiva” é hoje o maior problema do governo Gladson

Jorge em meio à cegueira

Jorge em meio à cegueira

No Comment

Deixe uma resposta