HomeAGÊNCIA BRASILLula discute perdas de arrecadação com ministros da área econômica

Lula discute perdas de arrecadação com ministros da área econômica


As renúncias fiscais, motivo de preocupação do TCU, Tribunal de Contas da União, também preocupam o presidente Lula, no que se refere à perda de arrecadação. Um relatório do tribunal foi um dos principais assuntos da reunião desta segunda-feira, entre o Presidente Lula e ministros da área econômica. É o que destacou o titular da Fazenda, Fernando Haddad.  

“Uma preocupação muito grande com as renúncias fiscais que continuam num patamar de R$ 519 bilhões”.

A declaração foi depois do encontro, no Palácio do Planalto. A renúncia fiscal é quando o governo desiste de receber tributos aos quais tem direito, para estimular a economia. Ao lado de Haddad, a ministra do Planejamento, Simone Tebet, disse que agora a equipe vai concentrar em uma solução para o problema, que deve ser apresentado no próximo encontro ao presidente Lula.  

“Esses números foram apresentados para o presidente. Ele ficou extremamente mal impressionado com o aumento dos subsídios que está batendo em quase 6% do PIB do Brasil. Estamos falando da reunúncia tributária, mas também dos benefícios financeiros e creditícios. Quando colocamos os três na conta, a gente tem que somar aos R$ 519 bi, que o Haddad falou, dá um total de R$ 646 bi.”

Outro assunto que também foi tratado com o presidente Lula, segundo o ministro da Fazenda, Haddad, foi o orçamento do ano que vem.  

“Foi uma primeira reunião muito produtiva para que o presidente tivesse total familiaridade com o que vem acontecendo na execução desse ano e nos preparativos para que nós possamos elaborar uma peça orçamentária que garanta os direitos das pessoas e o espaço discricionário para investimentos no ano que vem”

Na semana passada, Haddad, já havia dito ter conversado com Tebet sobre o corte de gastos e que esse é um consenso da equipe econômica do governo.  Segundo ele, está sendo realizada “uma revisão ampla, geral e irrestrita do que pode ser feito” para garantir “tranquilidade no ano que vem”.    

Outro ponto que Haddad já mencionou é o que ele chama de “privilégios”, ao citar, por exemplo, “os supersalários”, a correção de benefícios e de cadastros. Tudo para ajudar no equilíbrio das contas.   

Na semana passada, Simone Tebet havia destacado que a agenda de revisão gastos vai ter três frentes: segundo ela, a “primeira é a fiscalização e eliminação de fraudes de programas sociais, como o Bolsa Família. A segunda é a redução de incentivos fiscais. A terceira é a modernização de despesas obrigatórias, como saúde, educação e benefícios previdenciários”.   

 

 



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

vale a leitura