Jornal britânico The Guardian traz relato de fundador de empresa francesa que produz calçados com látex acreano

O co-fundador da fabricante francesa de calçado Vert, Sébastien Kopp, relatou a sua experiência nos seringais do Acre, em texto publicado no tradicional jornal britânico The Guardian.

A Vert produz calçados utilizando o látex extraído por seringueiros acreanos.

Veja o texto, traduzido:

O caminho da Vert: dentro das operações da grife sneaker na Amazônia

Graças às suas credenciais éticas e designs elegantes, a marca de instrutores acumulou seguidores dedicados. Aqui, seu co-fundador, Sébastien Kopp, arquiva seu diário de viagem de uma viagem à Amazônia onde os sapatos são feitos.

Começamos a trabalhar na Amazônia, no estado brasileiro do Acre, em 2004. O Acre é uma fronteira: o último ponto antes do início da floresta amazônica. De Rio Branco, a capital do estado, fica a poucas horas de carro para chegar à floresta e, no caminho, fica claro o quão grande é o problema do desmatamento.

Onde antes havia floresta, agora há campo sobre campo de gado e a oposição entre os protetores florestais e os criadores de gado aqui tem sido uma questão em andamento nos últimos 40 anos.

O legado de Chico Mendes, o ambientalista e líder sindical brasileiro que foi morto por um fazendeiro em 1988, ainda está próximo da causa.

Começamos a trabalhar com Bia Saldanha, que quase poderia ser considerada uma das filhas espirituais de Mendes, em 2008, e sua experiência trouxe muito para o projeto Veja na Amazônia. Ela dedicou sua vida à luta pela floresta e nós amamos ter seu trabalho conosco.

A reunião da comunidade

Compramos borracha silvestre de comunidades de seringueiros com quem trabalhamos dentro da floresta amazônica.

A borracha é extraída diretamente das árvores da Hevea que crescem aqui. Os seringueiros estão cada vez mais conscientes do fato de que podem ser os guardiões dessa floresta imensamente importante.

Toda vez que nos visitamos, temos reuniões abertas com a comunidade para nos ajudar a entender como podemos fazer melhor por elas e pela floresta.

Nesta viagem, discutimos um custo premium que adicionamos recentemente a cada quilo de borracha, que é dedicado especificamente à proteção da floresta.

Eles nos disseram como muitos dos seringueiros mais jovens perceberam que agora podem ganhar mais dinheiro com o trabalho que fazem conosco do que criar gado. Isso me deixa tão feliz e eu disse a eles que em cada par de sapatos há um pedaço deles, há um pedaço da floresta.

Os seringueiros são os primeiros a ver o impacto que a mudança climática tem sobre a floresta amazônica; os rios que estão secando; incêndios que não existiam antes.

Eles compartilham suas esperanças de um futuro sustentável aqui e perguntam se há mais empresas como a Veja que podem ajudar a evitar o desmatamento, trabalhando com a incrível riqueza da floresta sem destruí-la.

Os seringueiros podem ser os destruidores ou guardiões da floresta: tentamos empurrá-los para serem seus guardiões. Sebastião, um dos líderes da comunidade, insistiu em nos mostrar a plantação de árvores da Hevea que ele criou em terras previamente desmatadas que eram usadas para criação de gado.

Casas e redes

Toda vez que nos visitamos, somos recebidos por pessoas tão incríveis. Nós dormimos em redes e somos tratados com o pôr do sol mais bonito e delicioso café da manhã.

Nesta viagem, fomos recebidos pela Senhora Conda. Ela nos contou tudo sobre o trabalho que ela e seu marido fazem como professores para as crianças que moram na floresta. Ela falou sobre o que está mudando aqui, tanto bom quanto ruim. Eles nos contam suas histórias, seus sonhos e suas dificuldades.

A fábrica com François

Trabalhamos com uma fábrica no sul do Brasil para fazer nossos tênis Veja, e sempre foi importante para nós que nossos trabalhadores tenham direitos e boas condições de trabalho. No início, eles ficaram surpresos ao comprarmos matérias-primas tão caras, como o algodão orgânico, que geralmente custa o dobro do preço de mercado do algodão comum.

Hoje, eles entendem por que fazemos isso e eles se tornaram parceiros próximos para nos ajudar a obter esses materiais. [As auditorias sociais podem ser baixadas em nosso site.]

O escritório

Nossa equipe no Brasil é composta por 25 pessoas talentosas. Eles são fabricantes de calçados, especialistas em pesquisa e desenvolvimento de gerentes de materiais e logística que lidam com nossa complexa cadeia de produção, a partir de matérias-primas ecológicas, como algodão orgânico ou borracha silvestre que usamos para fazer os sapatos. Em 2019, compramos quase 200 toneladas de cada. A coleção é projetada em Paris e trazida à vida no Brasil.

Temos muitos projetos interessantes chegando e a equipe está sempre ocupada, pesquisando e procurando por matérias-primas e tecidos mais ecológicos. Veja está se tornando um laboratório de testes para inovações.

Mais pessoas no Brasil

… como você, está lendo e apoiando o jornalismo investigativo independente do The Guardian como nunca antes. E, ao contrário de muitas organizações novas, escolhemos uma abordagem que nos permite manter nosso jornalismo acessível a todos, independentemente de onde morem ou do que podem pagar. Mas precisamos do seu apoio contínuo para continuar trabalhando como nós.

O The Guardian vai se envolver com as questões mais críticas do nosso tempo – desde a catástrofe climática crescente até a desigualdade generalizada e a influência da grande tecnologia em nossas vidas. No momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós, em todo o mundo, merece acesso a relatórios precisos com integridade em seu coração.

Nossa independência editorial significa que estabelecemos nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo de guardiões está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou acionistas bilionários. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Precisamos do seu apoio para continuar a fornecer jornalismo de qualidade, manter nossa abertura e proteger nossa preciosa independência. Apoie o The Guardian a partir de $ 1 – e leva apenas um minuto. Obrigado.

Leia a matéria original https://www.theguardian.com/fashion/2019/jun/20/the-veja-way-inside-the-cult-sneaker-brands-operations-in-amazonia-a-photo-essay?CMP=Share_AndroidApp_Facebook

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami