Igrejas: presidente sugere derrubada do próprio veto

Igrejas: presidente sugere derrubada do próprio veto

Bolsonaro barra em parte anistia a templos, alega temer impeachment e defende que Congresso reverta sua decisão

Por NATÁLIA PORTINARI, NAIRA TRINCADA, PAULA FERREIRA E RENATA MARIZ opais@oglobo.com.br BRASÍLIA

Atendendo à equipe econômica, o presidente Jair Bolsonaro vetou trecho da lei aprovada pelo Congresso que concedia perdão a dívidas previdenciárias e tributárias de igrejas e templos. A medida foi assinada na última sexta-feira e será publicada no Diário Oficial da União de hoje. Após a Secretaria-Geral da Presidência comunicar o veto, Bolsonaro foi às redes sociais e defendeu que o Congresso derrube sua própria decisão. Além disso, afirmou que vai enviar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para “uma possível solução para estabelecer o alcance adequado para a imunidade das igrejas nas questões tributárias”.

Em nota divulgada à imprensa, a Secretaria-Geral informou que o presidente decidiu vetar a proposta porque ela poderia implicar em crime de responsabilidade. Nas redes, Bolsonaro afirmou que a medida foi necessária “para que eu evite um quase certo processo de impeachment”. O presidente defendeu que os parlamentares derrubem sua decisão: “Confesso, caso fosse Deputado ou Senador, por ocasião da análise do veto que deve ocorrer até outubro, votaria pela derrubada do mesmo”, escreveu.

As dívidas das igrejas totalizam R$ 889 milhões em débitos inscritos na Dívida Ativa da União, entre questões tributárias e previdenciárias. O veto de Bolsonaro atinge o perdão às primeiras. A proposta retirava templos da lista de pessoas jurídicas sobre as quais incide a Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). Apesar de vetar esse ponto, o presidente sancionou, por outro lado, artigo que afirma que não se considera como remuneração, para efeitos previdenciários, o valor pago por entidades religiosas a pastores e ministros.

Pressionado por representantes de igrejas evangélicas, Bolsonaro chegou a cobrar do ministro da Economia, Paulo Guedes, que encontrasse uma solução para atender o setor, mas acabou se curvando à orientação da equipe econômica. Na última quinta-feira, no Rio, Bolsonaro encontrou deputados da bancada evangélica e se comprometeu a resolver a situação. Na sexta, Bolsonaro ligou para Guedes e insistiu que encontrasse uma saída porque não queria vetar o perdão à dívida. O presidente disse que era preciso encontrar uma solução para atender o setor, ainda que ela fosse parcial.

Leonildo Rosas

Related Posts

Bolsonaro promulga exigência de publicação de editais na imprensa escrita

Bolsonaro promulga exigência de publicação de editais na imprensa escrita

Para evitar depoimento em CPI, governadores decidem recorrer ao STF

Para evitar depoimento em CPI, governadores decidem recorrer ao STF

Marcos Coimbra: Pesquisas presenciais mudam o jogo, Bolsonaro só tem a si próprio para tentar a reeleição

Marcos Coimbra: Pesquisas presenciais mudam o jogo, Bolsonaro só tem a si próprio para tentar a reeleição

Pesquisa Vox Populi: Lula vence Bolsonaro no primeiro turno da eleição

Pesquisa Vox Populi: Lula vence Bolsonaro no primeiro turno da eleição

No Comment

Deixe uma resposta