ESQUEMÃO AZUL: Entenda a investigação envolvendo o governador do Acre

https://linktr.ee/PortaldoRosas

Relatório do Coaf apontou movimentações suspeitas de R$ 828 milhões; pai e irmão do governador também são investigados

PODER360

Um relatório feito pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) colocou o governador do Acre, Gladson Cameli (PP), no centro de um suposto esquema envolvendo desvios em contratações na Saúde e Infraestrutura.

As movimentações suspeitas ultrapassariam os R$ 828 milhões, segundo o Coaf. O caso também envolve Eládio, pai do governador, que teria movimentado R$ 420 milhões em uma conta na Caixa Econômica Federal.

O PODER360 preparou perguntas e respostas para explicar o que se sabe até o momento sobre o caso.

O QUE ACONTECEU?

As investigações sobre o caso começaram com uma interceptação telefônica sugerindo que o governador teria recebido R$ 70.000 em propinas. A partir daí, a PF (Polícia Federal) encontrou um comprovante de transferência de um sócio de uma empresa de venda de medicamentos no valor de R$ 6.000 para o ex-chefe de gabinete de Cameli.

Depois, PF recebeu um relatório do Coaf apontando 20 comunicações financeiras suspeitas envolvendo o governador. De acordo com o órgão, transações fracionadas ultrapassaram os R$ 828 milhões. O caso foi revelado pelo jornal O Estado de São Paulo.

“Consideramos a movimentação acima da capacidade financeira presumida do cliente, bem como, aparentemente, sem relação com a atividade declarada, inexiste indicação de parte da origem dos recursos, realização de depósitos em espécie e realização de operações que, por sua habitualidade, valor e forma, configurem artifício para burla da identificação da origem, do destino, dos responsáveis ou dos beneficiários finais”, diz o relatório do Coaf”.

QUAIS AS SUSPEITAS?

Segundo a PF, as movimentações “indicam, fortemente” que houve “branqueamento de capital”. A prática consiste em encobrir bens e rendimentos obtidos ilicitamente.

O órgão afirma que foram identificados depósitos fracionados em espécie, uso de pessoas interpostas para pagamentos de contas pessoais, uso de laranjas em contratações imobiliárias e compras superfaturadas.

O crescimento do patrimônio levantou suspeitas. Em 2018, quando concorreu ao cargo de governador, Cameli declarou R$ 202 mil em automóveis ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). De lá para cá, foi para R$ 1,6 milhão, de acordo com a PF.

A suspeita é de que as transações em veículos, imóveis, dinheiro e cartões tenham servido para lavar dinheiro. O esquema, de acordo com a investigação, envolveria também o direcionamento de licitações e a confirmação de recebimento de mercadorias não entregues. Os contratos envolveriam medicamentos e obras de infraestrutura.

HÁ ENVOLVIMENTO DE FAMILIARES? Eládio, pai do governador, também está na mira da PF. Teria movimentado R$ 420 milhões em uma conta aberta na Caixa Econômica Federal de janeiro a agosto de 2019, nos primeiros meses de mandato de Cameli.

Gledson, irmão do governador, também é investigado. De acordo com as autoridades, o governador tentou usar uma conta registrada no nome de Gledson para comprar um apartamento de R$ 5 milhões. O episódio foi comunicado ao Coaf pela construtora responsável pelo imóvel.

A PF diz que a compra pode ser uma estratégia para lavar dinheiro de propina para esconder que o governador é o dono do apartamento.

MEDIDAS FORAM TOMADAS?

A Polícia Federal realizou em 16 de dezembro de 2021 uma operação de busca e apreensão contra a cúpula do governo do Acre. Os investigadores recolheram dinheiro, jóias e relógios no apartamento do governador. Também houve buscas no escritório de Cameli..

A operação foi autorizada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Rudilei Estrela, empresário e amigo do governador, foi preso. O pai e o irmão do político também foram alvo. Rosângela Gama, chefe de gabinete, foi presa preventivamente.

A Assembleia Legislativa do Acre recebeu nesta semana um pedido de impeachment contra o governador depois das operações de busca e apreensão.

O QUE DIZ A DEFESA DO GOVERNADOR?

Em nota, a defesa do governador disse que “a investigação é um emaranhado de assuntos desconexos”. Também afirmou que todas as movimentações do político são lícitas. Cameli é defendido pelos advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Veloso.

Eis a íntegra da nota

“A investigação é um emaranhado de assuntos desconexos. De um lado, tentam, em vão, criar um vínculo espúrio entre o governador e contratações lícitas realizadas pelo Estado. De outro lado, esmeram-se em levantar suspeitas sobre as finanças do governador. Apenas suspeitas são lançadas, nenhuma imputação de crime é realizada. São apenas ilações desconexas que, com o devido respeito, não poderiam justificar a realização de medidas invasivas como a busca e apreensão e o bloqueio de bens.

Todas as suas movimentações financeiras são lícitas e o seu patrimônio tem origem conhecida, seja no âmbito privado, seja na renda auferida em razão das funções públicas ocupadas. Em razão disso, a defesa do Governador Gladson Cameli irá apresentar o recurso cabível e confia que a decisão será objeto de revisão. Apesar de discordar veementemente do que consta na investigação, a defesa vem expressar que confia plenamente no Poder Judiciário e nas instituições republicanas.”

Procurado, o governo do Acre disse que não comentará o caso neste momento. O espaço segue aberto para eventual manifestação….

Leia mais no texto original aqui.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami