Enquanto pessoas morrem, governo e prefeitura de Rio Branco vão à praça pública brigar sobre vacinação

Está faltando politicagem e sobrando responsabilidade na relação entre o governo do Estado e a prefeitura de Rio Branco, no tocante à vacinação contra a Covid-19.

A briga está sendo feito em praça pública, enquanto as pessoas estão morrendo por falta de vacina e leitos de UTI nos hospitais.

Primeiro, o governo atrasou em quatro dias a entrega das vacinas que chegaram no sábado.

Hoje, usando uma desculpa esfarrapa, a prefeitura de Rio Branco disse que não irá vacinar no sábado e no domingo para atender ao decreto governamental, que impede que sejam executadas atividades não essenciais no sábado e no domingo.

Na prefeitura de Tiao Bocalom, que é negacionista convicto, parece que vacina está longe de ser essencial.

Para desmentir o prefeito e a sua turma, o governador Gladson Cameli mandou os seus assessores agirem.

A ação veio em forma de nota dura – veja aqui.

“Não existe, por parte do Governo do Estado do Acre, qualquer proibição em qualquer atividade voltada à saúde da população do Acre, menos ainda, no tocante a vacinação, por ser, obviamente, uma atividade essencial. Vale reforçar, que nos dois últimos finais de semana, a vacinação também poderia ocorrer normalmente, o que nos causa estranheza a informação que se presta a produzir ambiente de dúvida na população”, disse a nota.

Quando há uma exposição dessas entre duas autoridades que deveriam estar unidos nesse momento de pandemia, a população se sente desprotegida.

Com os olhos espichados para as eleições de 2022, Gladson Cameli já se lançou candidato à reeleição, disse que não dará um tostão para Bocalom, porque esse não lhe apoiará.

Pelas bandas do Acre, salvar votos parece ser mais importante do que salvar vidas.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami