Edvaldo Magalhães defende debate sobre cobrança do ICMS durante a pandemia

Edvaldo Magalhães defende debate sobre cobrança do ICMS durante a pandemia

O deputado Edvaldo Magalhães (PC do B) saiu em defesa dos comerciantes acreano, que sofrem as consequências do novo coronavírus.

Magalhães protocolou requerimento em que solicita a participação da secretária de Estado de Fazenda, Wanessa Brandão, e equipe em uma reunião da Comissão de Serviço Público, Trabalho e Municipalismo.

O tema a ser debatido é as formas de arrecadação do ICMS em tempo de pandemia do novo coronavírus. “Dispensar juros e multas, garantir o parcelamento se faz necessário”, defende o deputado.

Segundo o comunista, os comerciantes estão dando a sua parcela de contribuição no combate à doença, pois frecharam as portas dos seus comércios atendendo a um decreto governamental apropriado para o momento.

“A nossa única saída é o isolamento social. Mas, diante disso, o Estado precisa estender sua mão amiga a estes trabalhadores e empregadores”, argumenta.

Nesse sentido, o deputado defende uma discussão ampla com a Sefaz e com as associações, federações e entidades ligadas ao comércio.

“Sigo trabalhando em defesa das pessoas, dos empregos e, sobretudo, da vida, nosso bem maior”.

Leonildo Rosas

Related Posts

Movimentos para privilegiar candidaturas pode esvaziar e espatifar montagem da chapas no PSL

Movimentos para privilegiar candidaturas pode esvaziar e espatifar montagem da chapas no PSL

Senadores Sérgio Petecão, Márcio Bittar e Mailza Gomes votaram a favor da privatização da Eletrobrás

Senadores Sérgio Petecão, Márcio Bittar e Mailza Gomes votaram a favor da privatização da Eletrobrás

PT, PSB, PCdoB, PSOL e PV fazem reunião para iniciar diálogo rumo  às eleições de 2022

PT, PSB, PCdoB, PSOL e PV fazem reunião para iniciar diálogo rumo às eleições de 2022

Sindicalistas da Saúde empossam palhaço Peteleco como governo e o levam para a mesa de negociação com o governo

Sindicalistas da Saúde empossam palhaço Peteleco como governo e o levam para a mesa de negociação com o governo

No Comment

Deixe uma resposta