BOLSONARO, GLADSON E SOCORRO: PRIVATIZAR NÃO É O CAMINHO!

BOLSONARO, GLADSON E SOCORRO: PRIVATIZAR NÃO É O CAMINHO!

Por Cesário Campelo Braga

A crise do novo coronavírus trouxe à tona a importância do poder público para sociedade brasileira, seja na atuação no âmbito do Sistema de Saúde: hospitais, profissionais e afins, ou na manutenção do funcionamento da economia, com os auxílios emergenciais, desonerações fiscais e etc.

Superada a pandemia, o papel essencial do Estado ganhará contornos ainda mais explícitos, principalmente no processo de recuperação da economia, dos empregos e da renda do povo.

Grandes investimentos em obras públicas, transferência de renda direta, seguridade trabalhista e pacotes de incentivo para recuperação de pequenos e micro empresas são a receita mínima para dar fôlego à economia devastada.

Essa pandemia, além de levar milhares de vidas de trabalhadores e trabalhadoras brasileiros, expôs também as vísceras da nossa iniciativa privada, revelando sua fragilidade, ausência de protagonismo e dependência de um Estado, máximo, forte, indutor do desenvolvimento e soberano. Parafraseando meu amigo professor Carioca Nepomuceno, a pandemia mostrou que “a iniciativa privada é privada de iniciativa”.

Porém, na contra mão da história, percebemos que na administração pública alguns gestores não aprenderam as lições da pandemia e, em meio a crise, buscam entregar áreas estratégicas do Estado nas mãos de grandes empresas.

Jair Bolsonaro, Gladson Cameli e Socorro Neri têm em comum essa incapacidade de compreender a responsabilidade que a administração pública deve ter com a sociedade e principalmente com a população mais vulnerável, que tem no Estado seu escudo contra as desigualdades.

As tentativas de privatizar a Eletrobras, Correios, Pré-Sal S.A e o Porto de Santos, por parte do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, colocam toda a população e os interesses da nação à mercê de empresas estrangeiras, que terão o domínio de áreas estratégicas para o desenvolvimento do Brasil. Além, claro, de ampliar os custos de cada um dos serviço providos por essas estatais na ponta.

Gladson Cameli começou o processo de privatizações, no Acre, pela saúde, ao aprovar a possibilidade de empresas administrarem as unidades hospitalares. Ele namora ainda a possibilidade de privatização do Departamento Estadual de Água e Saneamento (Depasa), que consequentemente deve elevar os custos da conta de água dos acreanos.

Por fim, seguindo a mesma lógica de transferir responsabilidade para a iniciativa privada e ampliar o custo de vida da população mais carente e os lucros das grandes empresas, a prefeita de Rio Branco, Socorro Neri, quer privatizar o Shopping Popular. Com isso, entregará a uma grande empresa um dos maiores investimentos públicos da capital e vai deixar centenas de pais e mães de família à mercê das decisões de terceiros.

Esses são exemplos de decisões equivocadas, que serão sentidas no bolso da população e que não seguem a lógica de proteger os mais vulneráveis. Se assim agirem, tais gestores estarão transformado o patrimônio público do povo brasileiro em lucro para meia dúzia de grandes empresas.

Leonildo Rosas

Related Posts

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

A MENTIRA COMO MÉTODO DE (DES)CONSTRUÇÃO POLÍTICA

A MENTIRA COMO MÉTODO DE (DES)CONSTRUÇÃO POLÍTICA

A frágil “capacidade executiva” é hoje o maior problema do governo Gladson

A frágil “capacidade executiva” é hoje o maior problema do governo Gladson

Jorge em meio à cegueira

Jorge em meio à cegueira

No Comment

Deixe uma resposta