Ao anunciar cronograma, Thiago Caetano confirma a fama de engenheiro de obras prontas

Por meio do secretário de Infraestrutura, Thiago Caetano, o governo do Estado anunciou o cronograma de entrega de obras no primeiro semestre deste ano.

Ótimo, pois isso irá gerar empregos e movimentar a economia, certo?

Errado.

Caetano está agindo como o pássaro jacamim, aquele que não faz filho, mas adora criar os filhos dos outros.

Não há uma ação ao menos iniciada pelo atual governo, sob a responsabilidade do atual secretário. As empresas de construção civil estão urrando, pois não sabem qual o plano de Cameli para o setor.

Além da quebradeira e do desemprego visíveis, é fácil desmontar o engodo numa rápida visita ao Diário Oficial do Estado.

De janeiro até hoje, não uma edital de licitação para execução de obras. Nada foi iniciado, nem licitado.

Também é visagem a captação de recursos pela atual administração estadual. Os recursos que estão alimentandos as execuções fazem parte do R$ 1,3 bilhão que o ex-governador Tião Viana deixou em caixa para Cameli trabalhar.

Pelo andar da carruagem, Cameli e o seu secretario irão dizer que foi deles a iniciativa de investir mais de R$ 100 milhões em saneamento integral nos quatro municípios de difícil acesso.

Uma das principais aberrações de Caetano é o anuncio da entrega de 74 casas no Conjunto Andirá. No mesmo local, Tião Viana entregou 270, das 14 mil entregues durante o seu governo.

O pior é que o secretário conta com os louvaminheiros de plantão. Certamente muito bem remunerado, um colunista assinalou que Caetano pegou o Andirá em escombros. Mentira. Quem falou isso nunca nem passou perto do local.

Engenheiros de obras prontas, Caetano e Cameli estão fazendo promoção pessoal nas entregas de obras. Usando a logomarca do governo, exibem banner gigante com a seguinte frase: “Mais um projeto concluído, mais uma obra entregue pelo governador Gladson Cameli”. Se isso não for crime, não se sabe mais o que é.

Por fim, os mais apressados podem dizer que Cameli está entregando obras inacabadas do governo passado. Esse não é o problema. O problema seria não tivessem iniciado e não contassem dinheiro em caixa para pagar.

É a coisa mais comum um governador deixar obras para o seu sucessor terminar. Afinal, o mandato tem prazo para começar e iniciar.

Nos últimos anos, o único que não terminou obra do seu antecessor foi o petista Jorge Viana.

Se Viana fosse terminar o que recebeu, já teríamos sido devolvidos à Bolívia.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami