Agenda de Gladson Cameli anunciada por Agência de Notícias é pura fantasia

Ídolo do governador do Acre, Jair Bolsonaro não dá valor aos estudos e à educação.

Mas estudar é bom, muito bom.

Se tivesse estudado, por exemplo, a assessoria de Gladson Cameli poderia ter escolhido desculpas mais bem elaboradas para justificar o passeio que o chefe do Executivo acreano foi fazer em Dallas, no estado americano do Texas.

Segundo Cameli e a sua assessoria, o grande trunfo que o governador levou em mãos para mostrar aos americanos é a viabilidade do comércio com a América do Sul, com o fluxo de mercadorias saindo e entrando pelo Pacífico, através dos portos de Illo e Matarani, no Peru.

Essa é o tipo de história que os americanos estão cansados de saber e nunca demonstraram interesse por essa rota.

O Texas, se fosse um país, estaria entre as dez maiores economias do mundo.

Mesmo assim, Cameli fez divulgar que pretende apresentar o potencial de produção atual do Estado, levando como destaque o abate de 14 mil frangos por dia e os embutidos da indústria Dom Porquito, que chegam hoje à produção de 15 toneladas diárias.

Sem desmerecer a indústria acreana, a nossa produção está longe de atrair os olhos dos americanos.

Ainda estamos capengando para tentar viabilizar a exportação para o Peru e a Bolívia, bem aqui ao lado do Acre.

Um dos problema do mercado americanos é justamente a superprodução de carne de frango, o que tem levado a preços internos baixos e altos níveis de armazenamento a frio.

Isso significa que o mercado precisa se reequilibrar até que as coisas voltem a tomar direção positiva.

No tocante à carne suína, a complicação é ainda pior.

Há uma disputa porque os produtores e exportadores brasileiros querem reciprocidade.

Os Estados Unidos podem exportar para o país, mas eles querem que todos os estados brasileiros produtores sejam aptos a colocar carne nos Estados Unidos.

Atualmente, apenas Santa Catarina pode exportar, mas a quantidade é pequena.

A abertura do mercado brasileiro de suínos para os americanos é um perigo, não pela concorrência, mas por problemas sanitários.

Os Estados Unidos convivem com a ocorrência de várias doenças no setor, inclusive a diarreia suína e a peste suína africana.

Já o Brasil não tem problemas sanitários relevantes.

A parte mais risível do que foi divulgado sobre a suposta agenda de negócios de Gladson Cameli é sobre a pecuária.

Cameli, segundo a assessoria, foi mostrar aos empresários americanos que o Acre é hoje o terceiro produtor de rebanho bovino da Região Norte, com um ranking sempre crescente.

Vai passar vergonha.

O estado do Texas é o segundo maior produtor de carne bovina dos Estados Unidos.

Tem um rebanho próximo aos 100 milhões de cabeça. O rebanho do Acre gira em torno de três milhões.

Além disso, o Brasil não tem licença para exportar o produto para território americano.

Os Estados Unidos ficaram de mandar uma missão técnica e sanitária para avaliação das condições brasileiras de produção de carne bovina.

Só depois vão avaliar se abrem ou não o mercado dos EUA para a carne “in natura” do Brasil.

Gladson Cameli não tem nem agenda oficial com os empresários.

Poderia ter dito simplesmente que recebeu o convite de Bolsonaro e resolveu ir.

Ficaria menos feio.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami