More
    HomeOpiniãoAgenda 2030 ONU: Ação local com visão global.

    Agenda 2030 ONU: Ação local com visão global.

    Por Francisco O. D. Veloso*

    Aconteceu no Anfiteatro Garibaldi Brasil, na UFAC, nos dias 27 e 28 de outubro, o I Congresso em Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde da Amazônia. O evento foi organizado como uma parceria entre os programas de pós-graduação em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental, em Saúde Coletiva e em Ciência da Computação, com participação da Liga Acadêmica de Biotecnologia Aplicada à Saúde.

    Os organizadores descreveram o evento como “umaoportunidade enriquecedora para compartilhar conhecimentos, estabelecer conexões e contribuir para o avanço da saúde e tecnologia na Amazônia Ocidental.” (https://www.even3.com.br/cdctsa/)

    Tive a oportunidade e o privilégio de fazer a palestra de abertura. Achei que seria interessante compartilhar com osleitores do Portal do Rosas sobre um dos tópicos abordados. 

    Estamos, em nível global, em período conturbado não somente por causa de guerras, mas porque estamos chegando a um ponto de não-retorno em aspectos da mudança climática em andamento. 

    Foi neste contexto que a ONU propôs a Agenda de Desenvolvimento Sustentável 2030.

    A Agenda 2030 possui 17 objetivos que dialogam entre si. Esta iniciativa é importante porque oferece critérios de avaliação que podem ser utilizados para desenvolver políticas públicas.

    Avanços, ainda que tímidos, em qualquer das áreas propostas em cada objetivo podem significar melhoria de vida. 

    Um modelo de desenvolvimento sustentável requer ações em níveis global (geopolítica), local (governança) e das pessoas (agentividade histórica). 

    Neste contexto, a realização do I Congresso em Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde da Amazônia na UFAC envolve os níveis local, a partir do suporte institucional de uma universidade federal, pública, e a ação de pessoas organizadas em grupos de trabalho institucionais. Professores/pesquisadores, técnicos, estudantes, ou seja, membros da academia promoveram ações para o desenvolvimento da ciência (produção de conhecimento) e tecnologia (aplicação da ciência). Estas ações reverberam em matérias na mídia, como este, e novas ações a partir de novas conexões estabelecidas.

    Eventos acadêmicos desta natureza permitem que profissionais de diferentes áreas possam discutir sobre problemas que precisam ser tratados de diferentes ângulos. Melhorar a qualidade da saúde pública passa, necessariamente, por um processo de melhoria da qualidade da educação, por exemplo.

    A Agenda 2030 precisa entrar em pauta de discussão em nível governamental e acadêmico, para que possamos identificar problemas e implementar ações que beneficiem a sociedade sem destruir o meio-ambiente. 

    Produzir conhecimento e desenvolver tecnologias que melhorem a vida localmente, ou seja, no Estado do Acre, na cidade de Rio Branco, e em outros municípios requer educação de qualidade, e saúde e bem-estar, por exemplo. Na verdade, qualquer ação dentro desta perspectiva requer a presença destes dois objetivos pelo menos como pano de fundo.

    Nossas ações precisam e podem ser pautadas como um diálogo entre diferentes esferas da sociedade. Precisamos adotar uma abordagem interinstitucional e multidisciplinarpara resolver problemas comuns, que afetam a todos, porque existimos como parte de um todo. Existem outras comunidades ao redor do mundo, nos trópicos, com problemas semelhantes aos nossos. Como podemos aprender e dividir experiências com outras comunidades local e globalmente? 

    Academicamente, as instituições de pesquisa e seus pesquisadores possuem condições de estabelecer um diálogo local/global, estabelecer conexões e parcerias com diferentes instituições e atores para promover o desenvolvimento científico e tecnológico para o avanço da sociedade. 

    Precisamos compreender com clareza que ‘avanço’ significa melhorar a qualidade de vida da população, diminuir o nível de pobreza, melhorar índices educacionais, criar oportunidades de emprego e desenvolvimento de novos campos profissionais no Acre. 

    Para saber mais sobre a Agenda 2030: 

    1. https://unric.org/pt/objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel/

    2. https://brasil.un.org/sites/default/files/2020-09/agenda2030-pt-br.pdf

    * Francisco O. D. Veloso é professor/pesquisador no Centro de Educação, Letras e Artes (CELA-UFAC). Possui Doutorado em Linguística Aplicada/Inglês pela UFSC. Foi professor na Universidade Politécnica de Hong Kong (Hong Kong SAR), Professor Visitante na Universidade de Modena e Reggio Emília (Modena, Itália) e professor na Universidade de Bologna (Bologna, Itália). IG: fveloso.

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    vale a leitura