A Murano está de volta: Empresa é contratada pela Sesacre para vender supercomputador

 Empresa do Distrito Federal é investigada pela Polícia Federal na Operação Ptolomeu

Uma espécie de “papa tudo” em obras no primeiros anos do governo Gladson Cameli, a empresa Murano Construções saiu de cena após uma série de denúncias feitas na imprensa local, em particular por este Portal.

A Murano chegou ao Acre de forma misteriosa, por meio da adesão de uma ata pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), no valor de R$ 52 milhões, do Institututo Federal de Ceres (GO).

Empodeirada, a empresa foi responsável até por fazer pavimentação de rodovias, embora a ata fosse apenas para manutenção predial.

Aconteceu o que todos temiam: aconteceram denúncias aos órgão de controle, a Murano foi embora e deixou um rastro de dívidas pendentes.

Somente  na recuperação da AC-40, rodovia que liga Rio Branco a Senador Guiomard, a Murano ficou devendo mais de R$ 11 milhões à empresa Santa Maria, do grupo do empresário Jarbas Soster.

A Santa Maria foi sublocada pela Murano e também forneceu material para obras do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), estacionamento da Cageagre e alguns ramais.

A dívida está sendo cobrada na Justiça.

Mas, quem pensou que a Murano tinha ido embora para sempre, se enganou.

Ela está de volta e não é para fazer obras.

Em novembro de 2021, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) firmou contrato com a Murano para o fornecimento, implantação e integração, em regime “turnkey” de solução Data Center Modular Outdoor.

A contratação se deu por meio de pregão eletrônico.

O governo do Estado, por meio da Sesacre, pagará R$ 3,4 milhões à empresa que já foi campeã em execucão de obras.

Mas há uma pedra no meio do caminho.

O pagamento para a compra e instalação do supercomputador seria com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (Bird). Ocorre que, segundo fonte, a Sesacre deixou o dinheiro voltar. Agora, estão buscando uma solução para quitar a aquisição por meio recurso próprio.

 

Empresa alvo na Operação Ptolomeu

A Murano é uma das investigadas na Operação Ptolomeu, deflgrada pela Polícia Federal, em dezembro do ano passado, para apurar irregularidades no âmbito do governo do Estado, tendo o governador Gladson Cameli (Progressistas) como alvo principal.

Segundo os investigadores, a Murano, té o início do governo Gladson Cameli, não possuia nenhum histórico em realização de obras no estado do Acre, e que apartir de 2019, inicia uma impressionante escalada no que tange a execução de contratos estabelecidos com o governo do estado.

“O atípico crescimento da construtora, até então desconhecida na região, despertou atenção dos orgãos de controle e imprensa locais”, relataram os investigadores.

Dentre os atos suspeitos, segundo a Controladoria-Geral da União, a Murano teve empenhado pelo governo a quantia de R$ 144.856,17 provenientes de recursos de financiamento externo promovido pela República Federativa da Alemanha e pelo Reino Unido por meio do KfW (Banco de Desenvolvimento da Alemanha) para custeamento do Programa REM Acre Fase II.

Tais recursos deveriam ser destinados a projetos de proteção e conservação da floresta, mas foram direcionados para pagamento à Murano Construções por serviços de engenharia inerentes à manutenção predial preventiva e corretiva de bens imóveis, sem relação aparente com projetos de proteção e conservação de floresta.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto:
Close Bitnami banner
Bitnami