Titulação do militares em risco: em manobra estranha, projeto chega à Aleac com recomendação do MPE para ser retirado de pauta

Titulação do militares em risco: em manobra estranha, projeto chega à Aleac com recomendação do MPE para ser retirado de pauta

O risco que corre o sujeito esperto demais é ser engolido pela própria esperteza.

Gladson Cameli se acha muito esperto. E deve ser, pois tem conseguido contínuos mandatos usando de muitas artimanhas e poucas verdades.

Mas a esperteza está no seu encalço.

A mais recente do manobra governador do Acre envolve o projeto que concede aos militares o adicional de titulação sobre o vencimento básico.

Essa é uma reivindicação da categoria.

O projeto chegou à Assembleia Legislativa (Aleac) no último dia 28 de abril, mas não foi lido em plenário, o que não lhe assegura legalidade.

É voz corrente dentro da Aleac que o governo enviou a matéria por pressão da sua base militar, principalmente do deputado Cadmiel Bonfim (PSDB).

Cadmiel Bonfim era voto decisivo nas comissões em matérias importantes, principalmente na em quem o deputado Edvaldo Magalhães (PC do B) propôs que o governo pagasse insalubridade a todos os servidores da Saúde estadual.

O voto do tucano foi fundamental para que a proposta de Magalhães fosse derrotada.

Para satisfazer ao aliado, Gladson Cameli enviou o Projeto de Lei que beneficia aos militares. Mas a matéria não existe de direito. Não existe porque não cumpriu os ritos regimentais.

Na semana passada, alguns deputados sugeriram que o presidente da Aleac, Nicolau Júnior (PP), fizesse a leitura do projeto, mas ele recusou-se. 

Certamente Júnior estava alinhado com o Gladson Cameli, que é seu cunhado favorito.

Mas vamos voltar à esperteza.

Nos grupos dos deputados passou a circular o projeto que prevê o pagamento do adicional de titulação. Mas tem uma pegadinha. A matéria vem acompanhada de uma estranha recomendação do Ministério Público Estadual (MPE).


O documento com 17 “considerando”, assinado pela promotora Myrna Teixeira Mendoza, recomenda que o governo do Estado retire, imediatamente de pauta, o projeto de lei complementar encaminhado à Aleac no dia 28.

A promotora também recomenda que o governador vete o projeto, caso seja aprovado, e que o Poder Executivo promova a readequação dos gastos com pessoal, que, sabidamente, está muito acima do que estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Quem leu até aqui deve estar perguntado: e a esperteza?

Sigamos.

É completamente estranho o presidente da Assembleia Legislativa não ter feito a leitura da matéria.

Se não houve a leitura, não foi aberto o processo legislativo.

Se não foi feita a leitura e nem aberto o processo legislativo, como a promotora ficou sabendo que entrou no Parlamento um projeto com esse cunho? 

O normal, seria ela agir depois que houvesse a publicidade do ato, o que não aconteceu.

Até onde é de conhecimento da sociedade, o MPE não pode agir por suposição.

Pode não ser, mas parece algo combinado. 

A recomendação seria o álibi ideal para o governador não cumprir com a palavra empenhada até com o seu vice-governador, Wherles Rocha.

Será interessante se os deputados aprovarem e deixarem a decisão do veto para Gladson Cameli.

Será ai que a esperteza irá engolir o esperto.

Veja a recomendação:

Leonildo Rosas

Related Posts

Tachado de inimigo, governo Cameli retira adicional noturno de servidores da Saúde

Tachado de inimigo, governo Cameli retira adicional noturno de servidores da Saúde

Governo publica regras para servidor público suspender empréstimos consignados

Governo publica regras para servidor público suspender empréstimos consignados

Acre é o terceiro estado menos transparente em contratações emergenciais durante a pandemia, revela estudo

Acre é o terceiro estado menos transparente em contratações emergenciais durante a pandemia, revela estudo

Compra de sacolões pelo governo será investigada, até o governador admitiu o superfaturamento

Compra de sacolões pelo governo será investigada, até o governador admitiu o superfaturamento

No Comment

Deixe uma resposta

Beco Sem Saída

Não foi fornecido um URL válido.

Publicidade

Publicidade