O governo do rapaz pretende privatizar o atendimento no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco e no Hospital Regional de Brasileia.

Ele falou, o seu secretário de Saúde falou.

O que é estranho é o silêncio dos sindicatos, parlamentares e até dó Ministério Público.

Essa é uma iniciativa bem mais radical do que tentou a administração passada, que iria abrir uma licitação para contratar uma Organização Social (OS).

Na época, a ideia era entregar à OS o gerenciamento, operacionalização e execução de serviços de saúde no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) e UPAs dos bairros Sobral, Cidade do Povo e também do Segundo Distrito, que fica na Via Verde, em Rio Branco.

Além das muitas críticas, MPAC instaurou procedimento administrativo para acompanhar a possível terceirização dos serviços.

O silêncio incomoda, pois foi decretado estado de calamidade na Saúde e a contratação pode ser feita de qualquer jeito.