Reforma tributária verde

Reforma tributária verde

É necessário garantir tributos e incentivos fiscais específicos à Amazônia

Por Perpétua Almeida•

A reforma tributária, tema do momento, pode reduzir a desigualdade social e alavancar a economia. Mas se faz necessário incentivar a tecnologia verde. A biodiversidade é nossa maior e mais ameaçada riqueza.

A Amazônia não tem sido prioridade, mas pode dar grande contribuição à modernização do regime tributário aliando desenvolvimento social com preservação ambiental. Ela representa 61% do território brasileiro. Nessa definição legal, englobamos todo o bioma amazônico e parte do cerrado, representando um terço das florestas tropicais – o maior banco genético natural e um quinto da disponibilidade de água potável do mundo. 

É hora da mudança. A Amazônia, por sua importância econômica, ambiental e social, precisa de tratamento diferenciado no texto -base da reforma tributária. É necessário garantir tributos federais específicos: grandes empresas instaladas na região precisam investir em compensações sociais para a população. 

Vamos incentivar empresas que trabalham com produtos da floresta, como a biotecnologia verde, justificando incentivos fiscais diferenciados e fortalecendo a cultura extrativista sustentável. 

É urgente fortalecer as instituições de pesquisa, estimular a inovação e o empreendedorismo e valorizar o saber dos povos da floresta. A bioeconomia tem potencial para se transformar, no longo prazo, no principal vetor do PIB, garantindo a proteção da floresta e melhorando os indicadores sociais. 

É necessário ainda investir em novos eixos produtivos, como a piscicultura, o turismo, a produção agroflorestal e a construção naval. É primordial identificar e criar, no âmbito da reforma, fontes permanentes de recursos de apoio a esses setores. 

Apolítica ambiental de Jair Bolsonaro incentiva a devastação, afasta investidores internacionais e escancara a urgência por uma agenda econômica aliada à conservação. Em julho deste ano, houve aumento de 14,5% nas queimadas em comparação com 2019, segundo o Inpe. Essa é uma preocupação de líderes mundiais, autoridades e empresários brasileiros com visão de futuro. 

O caminho verde é o futuro, destaca a economista italiana Mariana Mazzucato, apoiada pelo papa Francisco e por Bill Gates, entre outras personalidades. Segundo ela, “o coronavírus revelou a fragilidade das estruturas econômicas, mas gerou oportunidades. No mundo pós-pandemia, podemos fazer um capitalismo diferente, que pode ser orientado pela inovação e sustentabilidade”. 

A taxação de grandes fortunas e a redução de impostos sobre consumo e produção, que atingem diretamente setores mais populares, estão entre as bandeiras da oposição no Congresso. No entanto, podemos ir além, com a criação de tarifas especiais para os produtos gerados a partir das florestas, como forma de criar um futuro saudável e ecologicamente responsável. 

Vamos incentivar empresas que trabalham com produtos da floresta, como a biotecnologia verde, justificando incentivos fiscais diferenciados e fortalecendo a cultura extrativista sustentável.

* Perpétua Almeida é líder do PC do B na Câmara dos Deputados

Artigo publicado na Folha de S. Paulo.

Leonildo Rosas

Related Posts

Opinião: O melhor remédio para a saúde moral da administração Bocalom é Frank Lima pedir afastamento do cargo de secretário

Opinião: O melhor remédio para a saúde moral da administração Bocalom é Frank Lima pedir afastamento do cargo de secretário

Opinião: Em tempo de pandemia, estar vivo é motivo de celebração, cuidado e solidariedade

Opinião: Em tempo de pandemia, estar vivo é motivo de celebração, cuidado e solidariedade

OPINIÃO: O que justifica a tentativa de linchamento midiático a Marcus Alexandre?

OPINIÃO: O que justifica a tentativa de linchamento midiático a Marcus Alexandre?

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

No Comment

Deixe uma resposta