Projetos de Lei propõem ações para ampliar proteção às mulheres, crianças, adolescentes e idosos

Projetos de Lei propõem ações para ampliar proteção às mulheres, crianças, adolescentes e idosos

Com participação de representantes da Rede Estadual de Proteção à Mulher, as duas propostas de legislação visam ampliar ações de proteção 

Nesta terça-feira, 12, foram apresentados por meio de videoconferência dois Projetos de Lei que propõem mecanismos para ampliar a proteção às mulheres, crianças, adolescentes e idosos. O primeiro projeto busca instituir o registro de casos de violência doméstica e familiar por meio de Delegacia Virtual e o segundo estabelece a obrigatoriedade de que os condomínios residenciais comuniquem aos órgãos competentes ocorrências ou indícios de violência doméstica e familiar.

Ambos os projetos visam proteger as mulheres, crianças, adolescentes e idosos, não apenas nesse momento de isolamento social, que evidenciou ainda mais o problema da violência doméstica e familiar com crescimento dos índices desses crimes, mas também para depois que essa situação passar.

A necessidade implantação dessas medidas deve-se ao fato de que esse tipo de violência acontece, na maior parte das vezes, dentro das casas e também atinge crianças e adolescentes e até idosos. Então, com as propostas de realização do Boletim Virtual, por meio de aplicativos de troca de mensagens online,  e com a ampliação da capacidade de denúncia, envolvendo vizinhos, condomínios, busca-se atender com mais rapidez as vítimas. 

A apresentação das propostas foi feita em encontro virtual promovido pela Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac), com a participação dos deputados estaduais, do Poder Judiciário do Acre por meio da Coordenadoria Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar, representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública, da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre (OAB/AC).

Além disso também estavam na sessão virtual, vereadores, servidores da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) e da Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM).

Continuar a proteger

Os Projetos de Lei são de autoria da OAB/AC e foram levados a Aleac pela deputada estadual Juliana Rodrigues. Ao iniciar o momento, o presidente da Aleac deputado Nicolau Júnior agradeceu todos, especialmente, a desembargadora Eva Evangelista “que é incansável na luta pela proteção às mulheres”.

Em seu pronunciamento, a decana da Corte da Justiça reconheceu o avanço que representa o Boletim feito de forma eletrônica, mas ratificou a necessidade de continuarmos trabalhando pela causa. “É preciso da conscientização da população, que a violência não aconteça. Esse problema existe e não apenas durante a pandemia. Por isso, temos que continuar agindo e enfrentando a violência doméstica e familiar que atinge as mulheres, crianças e adolescentes”, comentou.

Quem também enfatizou a urgência de seguir com o combate a essa violência foi a procuradora de Justiça do MPAC, Patrícia Rego, “que possamos encontrar formas de fugir dessas estatísticas tão lamentáveis. É fundamental campanhas para que a sociedade se envolva e entenda a gravidade desse crime, com a denúncia sendo feita nos condomínios e também é fundamental que os Boletins sejam feitos de forma eletrônico”.

Agora os projetos serão submetidos para apreciação na Assembleia Legislativa e a presidente da Comissão da Mulher Advogada, Isnailda Gondim, pediu aos deputados a aprovação das propostas: “Peço aprovação desses projetos que serão importantes para esse momento de pandemia e após a pandemia. São mecanismos que auxiliarão no combate e fortaleceram essa Rede de Proteção”.

Leonildo Rosas

Related Posts

TJAC prorroga regime de plantão extraordinário e amplia atos processuais urgentes para atendimento presencial

TJAC prorroga regime de plantão extraordinário e amplia atos processuais urgentes para atendimento presencial

Justiça condena acusado de matar cidadã chilena a 23 anos e 11 meses de prisão

Justiça condena acusado de matar cidadã chilena a 23 anos e 11 meses de prisão

Ranking nacional aponta que Tribunal de Justiça do Acre aumentou índices de transparência

Ranking nacional aponta que Tribunal de Justiça do Acre aumentou índices de transparência

Justiça nega habeas corpus a dupla suspeita de praticar racha que resultou em morte de motociclista

Justiça nega habeas corpus a dupla suspeita de praticar racha que resultou em morte de motociclista

No Comment

Deixe uma resposta

Colunistas

Encontre-nos

Endereço
Av. Paulista, 123456
São Paulo, SP, CEP: 01311-300

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h