Programa Medicamento em Casa: veja quem tem direito e como ter acesso a este serviço da Prefeitura de Rio Branco

Programa Medicamento em Casa: veja quem tem direito e como ter acesso a este serviço da Prefeitura de Rio Branco

Para garantir que os usuários do Sistema Único de Saúde (Sus) em condições especiais não fiquem sem medicação, a Prefeitura de Rio Branco realiza o Programa Medicamento em Casa para pacientes específicos desde agosto de 2019 que continua durante a pandemia. De acordo com os dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), somente neste período foram entregues 1300 medicamentos. 

“O objetivo é garantir o acesso mais efetivo aos medicamentos e organizar o atendimento contínuo aos grupos beneficiados através do programa”, explicou a farmacêutica Luana Esteves, coordenadora do programa.

Tendo como meta inicial beneficiar 7,7 mil pacientes, o Medicamento em Casa é destinado a pessoas acamadas/domiciliadas e cadeirantes; portadores de doença de Parkinson, osteoporose, idosos com 65 anos ou mais e idosos com dificuldade de locomoção; portadores de doença renal crônica.

Beneficiado com o programa, Edvânio Silva, que é cadeirante, se disse satisfeito. “A Prefeitura de Rio Branco está de parabéns por este trabalho, assim como toda a equipe responsável, desde quem entrega até os que estão à frente pela forma como estão trabalhando. Eu fiquei surpreso com o que recebi. É muito bom mesmo”, reconheceu.

O programa faz parte do Complexo Farmacêutico de Rio Branco (Cofam) e os medicamentos distribuídos são os que constam na Relação Municipal de Medicamentos (Remume).

“Uma das características do programa é a utilização do sistema de informação G-MUS, o que permite o cadastramento dos pacientes, controle de estoque e distribuição dos insumos individualizada”, acrescentou a coordenadora.

Para requisitar a entrega de medicamentos em casa, o paciente ou responsável deve se dirigir à Policlínica Barral y Barral portando os documentos de identidade, CPF, cartão do SUS, comprovante de residência em Rio Branco, receita médica original em papel timbrado do médico ou do estabelecimento onde a consulta foi realizada na qual deve constar os seguintes itens: nome do paciente; apresentação e dose diária do medicamento, assinatura e carimbo com o número do CRM (inscrição no Conselho Regional de Medicina) do médico; e laudo médico atestando a condição do paciente.

A farmacêutica responsável pelo programa lembrou ainda que receituário normalmente tem validade de três meses, conforme prevê Portaria nº 05 de 2016 que trata da normatização e dispensação de medicamentos e os procedimentos executados pelas farmácias no âmbito da Saúde Municipal, podendo ser renovada por igual período sucessivamente, com a expedição de uma nova prescrição médica. Mas durante a pandemia a validade foi estendida para seis meses. 

Em caso de dúvidas, o contato pode ser feito com a Assistência Farmacêutica Municipal pelo telefone 3227-1239.

Leonildo Rosas

Related Posts

MPF, MPAC e DPU movem ação para melhorias no Programa Mais Médicos no Acre

MPF, MPAC e DPU movem ação para melhorias no Programa Mais Médicos no Acre

Instituto de Saúde criado por Gladson não garante empregos de funcionários Pró-Saúde

Instituto de Saúde criado por Gladson não garante empregos de funcionários Pró-Saúde

Tachado de inimigo, governo Cameli retira adicional noturno de servidores da Saúde

Tachado de inimigo, governo Cameli retira adicional noturno de servidores da Saúde

Socorro Neri entrega Centro de Referência para atender pacientes com sintomas leves da Covid-19

Socorro Neri entrega Centro de Referência para atender pacientes com sintomas leves da Covid-19

No Comment

Deixe uma resposta

Colunistas

Encontre-nos

Endereço
Av. Paulista, 123456
São Paulo, SP, CEP: 01311-300

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h