Portaria publicada por comandante da PM abre crise institucional com a Polícia Civil do Acre

Portaria publicada por comandante da PM abre crise institucional com a Polícia Civil do Acre

Para delegado Nilton Boscaro, estão usurpando as funções institucionais e constitucionais da PC

Escancarado a partir do dia 1° de janeiro de 2019, com a chegada de Gladson Cameli e Wherles Rocha ao governo, o fosso que separa a Polícia Militar e a Polícia Civil só aumenta.

Portaria assinada pelo comandante da Polícia Militar, Ulisses Araújo, e publicada no Diário Oficial do Estado de hoje abre uma verdadeira guerra entre as instituições.

Em tese, a portaria seria para “institui diretriz geral de planejamento e emprego da Polícia Militar do Estado do Acre”. Mas não foi vista assim pelo policiais civis.

A situação mexeu tanto com a Polícia Civil, que o sempre pacato delegado Nilton Boscaro recorreu a sua página no Facebook para gritar. “A Polícia Civil do Estado do Acre está sendo alvo de usurpação das suas funções institucionais e constitucionais”, denunciou.

Na portaria assinada por Ulisses Araújo, os policiais militares passam a ter a prerrogativa de isolar o local de crime, o que é atribuição da Polícia Civil , e não da PM, que tem como missão a preservação da ordem pública, ou seja: evitar que o crime ocorra.

Outra usurpação das prerrogativas do Polícia Civil diz que os militares irão lavrar os termos circunstanciados, numa afronta ao que diz a legislação.

Pela lei, os cidadãos podem se recusar a assinar o documento elaborado pela PM, devendo pedir para serem levados para à delegacia, sob pena de poderem ter os seus direitos violados.

Noutro item da portaria, Araújo afirma que o policiamento velado é atividade de preservação pública.

O problema é que o policiamento velado é atividade de investigação criminal. É incompatível com o policiamento ostensivo.

Uma aberração – O presidente da Associação dos Delegados de Polícia (Adepol), Pedro Resende, classificou a portaria como aberração. 

Em nota enviada aos demais delegados, Resende enumera as medidas tomadas pela entidade, a fim de tentar coibir o que classificar como usurpação.

A Adepol enviou oficio ao secretário de Justiça e Segurança Pública, Paulo Cézar Rocha, para, como coordenador do Sistema Integrado de Segurança Pública, tome providências no sentido de sanear o que classifica como atrocidades.

A entidade contatou o escritório de advocacia para analisar medidas judiciais cabíveis.

As demais medidas adotadas foram: contatara Associação Nacional dos Defensores Públicos para discutir a diretriz e contatar o presidente da associação dos advogados criminais do Acre

“Estamos aguardando resposta da Sejusp para editar norma técnica para orientar os colegas”, adiantou Resende

A Adepol não descarta ir à Justiça para garantir que as suas prerrogativas sejam respeitadas.

Leonildo Rosas

Related Posts

Acre foi o estado que mais reduziu taxa de homicídios em 2018, último ano do governo petista de Tião Viana

Acre foi o estado que mais reduziu taxa de homicídios em 2018, último ano do governo petista de Tião Viana

Remoção e perícia do Helicóptero começam após uma semana de acidente com caminhão

Remoção e perícia do Helicóptero começam após uma semana de acidente com caminhão

Desestruturada e desprestigiada, Polícia Civil diminui número de operações e faz aumentar quantidade de assaltos

Desestruturada e desprestigiada, Polícia Civil diminui número de operações e faz aumentar quantidade de assaltos

Presidente do Iapen autorizou transferência de preso de alta periculosidade para prisão de segurança mínima

Presidente do Iapen autorizou transferência de preso de alta periculosidade para prisão de segurança mínima

No Comment

Deixe uma resposta

Colunistas

Encontre-nos

Endereço
Av. Paulista, 123456
São Paulo, SP, CEP: 01311-300

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h