Polícia Militar do Acre investe em equipamentos com apoio do Poder Judiciário

Polícia Militar do Acre investe em equipamentos com apoio do Poder Judiciário

Equipamentos adquiridos com o recurso das penas pecuniárias serão utilizados no trabalho de fiscalização e monitoramento da polícia.

O Poder Judiciário Acreano proporcionou à Polícia Militar do Acre aquisição de equipamentos de tecnologia para o sistema de inteligência. Foram adquiridos, por meio do recurso das penas pecuniárias, um drone, um servidor com processador e dois aparelhos de TV. O projeto foi contemplado pela Vara de Execuções Penais e Medidas Alternativas (VEPMA).

O Fundo das Penas Pecuniárias foi criado pelo pelo Provimento n° 01/2013 da Corregedoria-Geral da Justiça, em atenção à Resolução n° 154/2012 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que disciplina a utilização de valores oriundos de condenações criminais que envolvam o pagamento de multas em dinheiro.

Para receber o dinheiro, a instituição tem que apresentar o projeto beneficente quando a vara abre edital de cadastramento. Após análise por parte da equipe, se o projeto apresentado atender aos requisitos, o recurso é enviado à instituição requisitante.

Para o Poder Judiciário, é importante fomentar projetos que tenham repercussão direta no âmbito social, educacional, de saúde, de segurança pública e que atinjam, preferencialmente, os egressos do sistema penitenciário e também as ações sociais de prevenção à criminalidade.

A juíza de Direito Andréa Brito, da VEPMA, disse que o edital foi publicado em 16 de outubro de 2019 e na primeira fase foram 68 entidades participantes, desses foram aprovados 20 projetos. Havia um valor total para liberação de R$ 275 mil e 12 entidades levantaram os alvarás, no total de R$ 186.562.

“Dentre esses projetos que foram contemplados, está o apresentado pela Polícia Militar do Acre, que tem como objetivo a aquisição de equipamentos para o sistema de inteligência. O valor solicitado e liberado foi de R$ 43.048,90. A liberação do alvará ocorreu antes da recomendação do CNJ de destinar os valores das penas pecuniárias, prioritariamente, aos projetos relacionados à Saúde. Acreditamos que os valores alocados é uma importante parceria do Poder Judiciário com  o Sistema de Segurança Pública e responde ao anseio da sociedade”, disse a juíza.

Por parte da PMAC, por exemplo, os equipamentos recebidos fazem-se necessário para acompanhamento e fiscalização de ações das organizações criminosas que operam no Estado e para o combate pelo policiamento ostensivo buscando, segundo explicou o major Araújo, a melhoria na produção do conhecimento realizado pelos analistas criminais e de inteligência.

Pena pecuniária

A pena pecuniária é a medida alternativa à prisão, que pune crimes de menor potencial ofensivo com o pagamento em dinheiro. É aplicada, em regra, em sentenças inferiores a quatro anos de reclusão, de crimes cometidos sem violência ou grave ameaça, sem previsão de regime fechado.

A prioridade dos recursos são vítimas dos crimes ou dependentes. Outra opção é doar a projetos sociais. O juiz pode ainda substituir a pena pecuniária por prestação de outra natureza, como entrega de cestas básicas ou fornecimento de mão de obra, caso o condenado não possua condições e concorde.

Os recursos são depositados em conta bancária vinculada às Varas de Execução Penal (VEPs) ou Varas de Penas e Medidas Alternativas (VEPMAs), em vez de serem pulverizados em várias entidades. O dinheiro só pode ser movimentado por alvará judicial e as entidades beneficiadas devem prestar contas na forma prevista pela corregedoria de cada tribunal.

Leonildo Rosas

Related Posts

Inquérito que investiga Marcio Bittar por uso de cota parlamentar fica no STF

Inquérito que investiga Marcio Bittar por uso de cota parlamentar fica no STF

Justiça Federal  acolhe pedidos do MP e Defensorias e ordena que vacinação de forças de segurança do Acre siga as regras de prioridades

Justiça Federal acolhe pedidos do MP e Defensorias e ordena que vacinação de forças de segurança do Acre siga as regras de prioridades

Justiça condena delegado e agente por prática de discriminação em desfavor das pessoas com deficiência

Justiça condena delegado e agente por prática de discriminação em desfavor das pessoas com deficiência

Judiciário do Acre realiza mais de 2 milhões de atos durante o primeiro ano da pandemia

Judiciário do Acre realiza mais de 2 milhões de atos durante o primeiro ano da pandemia

No Comment

Deixe uma resposta