Não existe espaço para oscilação no ato de governar

Não existe espaço para oscilação no ato de governar


Por Cesário Campelo Braga

Governar de forma oscilante e indecisa aparentemente pode não trazer consequências à população. Porém, em tempos de pandemia, as consequências são bem mais danosas do que uma avaliação despretensiosa pode identificar, cada indecisão, cada oscilação pode custar a vida de centenas ou milhares de pessoas.

A pandemia do novo coronavírus tem revelado líderes responsáveis e firmes, como o presidente da Argentina, Alberto Fernandes, e a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern. Mas, também tem escancarado líderes com atitude criminosa, oscilante e irresponsáveis como é o caso de Bolsonaro, no Brasil, e do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

No Brasil a situação é mais grave, porque além de não assumir responsabilidades, alguns governantes têm feito um verdadeiro empurra empurra. Vale salientar que o mau exemplo foi dado primeiramente por Bolsonaro, que jogou no colo dos governadores a responsabilidade sobre os efeitos dos decretos de isolamento social na pandemia. No Acre, estamos assistindo o Governador Gladson Cameli tentar se eximir e transferir a responsabilidade às prefeituras.

Para além do empurra empurra, a falta de posicionamento dos gestores, que deveriam se comportar como verdadeiros líderes, tem sérias consequências. segundo o epidemiologista da USP, Paulo Lotufo, gestores que anunciaram a flexibilização da quarentena no futuro cometem um grande erro.

Como exemplo, Lotufo, cita o caso do governador de São Paulo, João Dória, que no último 20 de abril anunciou que, em algumas semanas haveria, a flexibilização da quarentena, o que não ocorreu. É um erro aventar essa possibilidade antes de existir uma certeza de que já poderá ocorrer. “A leitura que passou para a população foi que ‘opa, tudo bem, está liberado’, explica o pesquisador. “O que estamos percebendo é que quando você sinaliza com uma data, as pessoas já assumem a postura na hora”, complementa.

O mesmo erro foi cometido no Acre, por Gladson Cameli, que deu a entender que flexibilizaria o decreto de isolamento. Mas, como de costume, mudou de opinião em meio ao processo, criando a falsa ilusão de que já estávamos com níveis de contaminações em que seria possível o afrouxamento. De certo as consequências serão sentidas no aumento de casos e óbitos, que somente na terça-feira, 23, foram 16.

A pandemia escancarou as desigualdades sociais e igualmente expôs líderes fortes e àqueles que não sabem sequer onde estão metidos. Infelizmente, o Brasil é um transatlântico à deriva e, no Acre, o timoneiro resolveu abrir mão de segurar o leme.

Leonildo Rosas

Related Posts

Opinião: O melhor remédio para a saúde moral da administração Bocalom é Frank Lima pedir afastamento do cargo de secretário

Opinião: O melhor remédio para a saúde moral da administração Bocalom é Frank Lima pedir afastamento do cargo de secretário

Opinião: Em tempo de pandemia, estar vivo é motivo de celebração, cuidado e solidariedade

Opinião: Em tempo de pandemia, estar vivo é motivo de celebração, cuidado e solidariedade

OPINIÃO: O que justifica a tentativa de linchamento midiático a Marcus Alexandre?

OPINIÃO: O que justifica a tentativa de linchamento midiático a Marcus Alexandre?

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

COMO ASSIM? Sem nunca ter trazido uma dose, Gladson, agora, diz que não comprará mais vacinas

No Comment

Deixe uma resposta