Durante 20 anos, a madeireira Adelaide de Fátima Gonçalves foi frequentadora assídua dos gabinetes dos governadores e secretários ligados ao meio ambiente.

Dizia-se aliada do modelo de desenvolvimento sustentável implantado no Acre pelos governos da Frente Popular.

Fazia jura de amor e de fidelidade.

Ano passado, sentindo que a caneta poderia mudar de lado, a madeireira iniciou o processo de mudança, como se derrubasse toda a sua história de uma machadada.

Parece que valeu a pena trocar de árvore para se acomodar na sombra.

Adelaide da Fátima aparece no Diário Oficial de hoje nomeada para ocupar a vice-presidência da Junta Comercial do Estado do Acre (Juceac).

Substituirá o empresário do ramo imobiliário Jurilande Aragão.

Ainda na vice-presidência da Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), a madeireira se juntou ao atual presidente da Juceac, Carlos Afonso Cypriano, e outros empresários ligados ao que sai no Diário Oficial, para tentar derrotar o empresário José Adriano da presidência da instituição que representa as indústrias acreanas.

Foram derrotados nas urnas e na Justiça.

Pelo apoio, Adelaide de Fátima, cuja empresa passa por sérias dificuldades, ganhou a vice-presidência da Juceac como prêmio de consolação e acomodação.

Ela agora continua frequentando os gabinetes.