Jorge Viana foi o único governador que não teve que concluir obra do seu antecessor; assumiu o governo com o Acre quase na ilegalidade

Jorge Viana foi o único governador que não teve que concluir obra do seu antecessor; assumiu o governo com o Acre quase na ilegalidade

Tem-se falado muito sobre conclusão de obras inacabadas deixadas pelo governo anterior.

Essa é o tipo de discussão que não resiste a meia hora de argumentos sólidos.

É perfeitamente normal um governo terminar obras iniciadas pelo governo que lhe antecedeu.

Mandatos eletivos têm prazos. E nem sempre é possível concluir o planejado.

As coisas são assim desde que o mundo é mundo.

A pergunta a ser feita seria: o governo anterior deixou recursos em caixa para as obras serem concluídas?

No caso do Acre a resposta é sim.

Não há uma obra inconclusa pela administração Tião Viana que não haja os recursos assegurados para Cameli terminar.

O atual governador assumiu no 1º dia de 2019 e até agora não apresentou o seu plano de metas.

Fica patinando na inércia e no discurso de apontar para o passado, quando a população espera um líder que olhe para o futuro.

Enquanto perde tempo e verbo, o rapaz deveria entender que não terá prazo para fazer tudo aquilo que pretende.

Deixará algo inacabado para o seu sucessor.

Nós últimos 20 anos, o único governador que não teve que concluir a obra do seu antecessor foi Jorge Viana.

Se concluísse, era melhor ter devolvido o Acre para a Bolívia.

Jorge Viana assumiu os destinos do Acre, em janeiro de 1999, com o Estado beirando a ilegalidade.

Os mais jovens não lembram ou não viram o cenário devastador.

Teve que, literalmente, reconstruir o Estado.

Começou a reconstrução resgatando, sobretudo, a autoestima da população. O acreano tinha vergonha de ser acreano.

Embora tenha trabalhado muito, Viana não conseguiu inaugurar tudo o que pretendia. Deixou obras inacabadas para Binho Marques concluir.

Marques fez um governo de fartura. Foram quatro anos com muitos recursos e atividades. Mas ele não deu conta de entregar tudo.

Tião Viana inaugurou muita coisa iniciada por Binho Marques.

Tião Viana deixou muita coisa para Cameli inaugurar. Deixou dinheiro em caixa para as obras. A placa de inauguração vai levar o nome do atual governador.
É a democracia.
É a história.

Hugo Costa

Related Posts

A água do Depasa só enche as caixas da política

A água do Depasa só enche as caixas da política

Game over

Game over

Aviso a quem cobra imparcialidade deste Portal: eu tenho lado na história

Aviso a quem cobra imparcialidade deste Portal: eu tenho lado na história

Celso de Mello não deixa legado algum: foi decano de uma corte que permitiu o golpe e não julgou parcialidade de Moro

Celso de Mello não deixa legado algum: foi decano de uma corte que permitiu o golpe e não julgou parcialidade de Moro

No Comment

Deixe uma resposta

Colunistas

Encontre-nos

Endereço
Av. Paulista, 123456
São Paulo, SP, CEP: 01311-300

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h