Goleiro Bruno e assassino de Dorothy: quem Marco Aurélio Mello já liberou

Goleiro Bruno e assassino de Dorothy: quem Marco Aurélio Mello já liberou

Do UOL, em São Paulo

“Enquanto a culpa não está formada, mediante um título do qual não caiba mais recurso, o acusado tem o direito —que eu aponto como natural— que é o direito de fugir”, escreveu o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello, em 2009, ao defender a liberdade do ex-banqueiro Salvatore Cacciola.

Cacciola fugiu após receber o habeas corpus do ministro, à época, assim como fez no fim de semana André Oliveira Macedo, 43, o André do Rap, acusado pelas autoridades paulistas de ser o principal chefe do PCC em Santos (SP) e o elo entre a facção paulista e a máfia italiana ‘Ndrangheta no Brasil.

Além de André do Rap e Cacciola, Marco Aurélio já liberou pessoas cujos crimes ficaram reconhecidos dentro e fora do Brasil, como o ex-goleiro Bruno, condenado por matar Eliza Samúdio, e Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, condenado por matar a missionária norte-americana Dorothy Mae Stang, no Pará.

O ministro determinou a soltura de André do Rap, no início de outubro, ao argumentar que ele estava preso sem uma sentença condenatória definitiva desde dezembro de 2019 [na verdade, ele foi preso em setembro de 2019]. E que isso contrariou o artigo 316 do CPP (Código de Processo Penal), que prevê que as prisões preventivas devam ser revisadas a cada 90 dias.

De acordo com investigadores entrevistados pelo colunista do UOL Josmar Jozino, ao sair da penitenciária 2 de Presidente Venceslau, na manhã do último sábado, André do Rap foi de carro até a cidade de Maringá (PR) e, de lá, pegou um avião particular com destino ao Paraguai. Uma força-tarefa tenta recapturá-lo no momento.

Goleiro Bruno

Em fevereiro de 2017, o ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza, condenado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de Eliza Samudio, deixou a prisão pela porta da frente após decisão do ministro Marco Aurélio Mello.

A defesa de Bruno alegou que havia excesso de prazo da contrição cautelar, uma vez que se passaram mais de três anos desde o julgamento sem análise da apelação. Mello entendeu que os fundamentos da prisão preventiva decretada não se sustentavam mais.

“A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há 6 anos e 7 meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória”, escreveu, à época.

Dois meses depois, quando já estava contratado para volta a jogar futebol, pelo Boa Esporte Clube (MG), a Primeira Turma do STF revogou a decisão liminar de Marco Aurélio. Ele voltou à prisão de imediato. Até que, no ano passado, foi beneficiado pelo regime semiaberto.

Veja a matéria completa aqui.

Leonildo Rosas

Related Posts

Rio Branco e Cruzeiro do Sul estão entre as 15 cidades mais violentas do país, diz instituto

Rio Branco e Cruzeiro do Sul estão entre as 15 cidades mais violentas do país, diz instituto

Dica de Segurança: Delegado Nilton Boscaro orienta sobre o “Golpe do anúncio duplicado”

Dica de Segurança: Delegado Nilton Boscaro orienta sobre o “Golpe do anúncio duplicado”

VÍDEO: Delegado Nilton Boscaro orienta sobre o golpe do boleto

VÍDEO: Delegado Nilton Boscaro orienta sobre o golpe do boleto

Camionetes adquiridas pela Segurança Pública do Acre estão paradas por falta de revisão

Camionetes adquiridas pela Segurança Pública do Acre estão paradas por falta de revisão

No Comment

Deixe uma resposta