Perpétua Almeida foi a única parlamentar do Acre a votar contra a reforma da Previdência.

Ela disse não ao texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera as regras de aposentadoria.

Os outros deputados, inclusive Flaviano Melo, que tem duas robustas aposentadorias, disseram sim ao projeto que tira direitos dos trabalhadores.

Bancário, Jesus Sérgio contrariou a decisão do seu partido, o PDT, e votou com o governo.

Deverá sofrer punição por isso.

A “deforma da Previdência” retira os direitos dos humildes, a proteção dos órfãos e das viúvas.

Obriga o cidadão a ter uma velhice sem dignidade, trabalhando até a morte.

Foi nessa proposta que os parlamentares acreanos, com exceção de Perpétua Almeida, votaram a festejaram a sua aprovação.

A PEC foi aprovada, em primeiro turno, por 379 votos a 131.

Para aprovar a PEC, o presidente Jair Bolsonaro liberou R$ 1 bilhão em emendas e nomeou indicados por deputados para cargos federais.

Resta saber qual foi o preço de cada deputado do Acre.