Crescimento de Bolsonaro mostra eleitorado dividido em centro-direita e centro-esquerda, analisa José Dirceu

Crescimento de Bolsonaro mostra eleitorado dividido em centro-direita e centro-esquerda, analisa José Dirceu

Reação ao neoliberalismo está latente

Resistência foi contida pela pandemia

Esquerdas devem construir alternativa

Bases sociais precisam ser refeitas

Por José Dirceu*

Não há como fugir dos fatos e da realidade. A questão é que os fatos não são apenas conjunturais. Por isso, não podemos nos concentrar apenas no aumento da aprovação de Bolsonaro e seu governo nas pesquisas de avaliação, mas ver este movimento como a confirmação da divisão do eleitorado brasileiro entre a centro-direita, agora hegemonizada pela extrema direita bolsonarista, e a centro-esquerda que, nas últimas décadas, tem sido liderada pelo PT.

Tenho citado o exemplo da eleição para o Senado em São Paulo, em 2010. Tuma, Quércia e Aloysio Nunes dividiam o eleitorado conservador e Marta e Netinho o progressista. O candidato tucano tinha poucas chances. Tuma, que era o favorito, faleceu e Quércia se retirou por razoes de saúde. Frente à mudança de conjuntura, parecia fácil a vitória de Marta e Netinho. Mas o eleitorado conservador não teve dúvidas e votou em massa em Aloysio, que ficou em primeiro lugar e Marta em segundo.

Há vitórias e vitórias. A de Bolsonaro, que começou com o golpe do impeachment de Dilma de 2016 e o impedimento de Lula, significou a coesão das elites empresariais e dos partidos de centro-direita em torno do programa econômico de Paulo Guedes. A mesma coalizão que sustentou o golpe de 1964 e a sua agenda econômica liberal liderada pela dupla Roberto Campos-Bulhões.

O programa econômico de Guedes, assim como o de Campos-Bulhões, é uma contrarreforma conservadora e autoritária no capitalismo brasileiro para adaptá-lo à ordem mundial. A ditadura militar, apesar do golpe, perdeu as eleições em Minas e Rio em 1966. Por isso, via AI 2, pôs fim à eleição direta para presidente, governador e prefeito de capitais e áreas de segurança nacional; extinguiu os partidos; e implantou a censura. As ruas foram ocupadas pelos estudantes primeiro, classes medias depois, e as greves operárias se intensificaram.

A pretexto de reprimir ações armadas da resistência à ditadura veio o AI 5. E, apesar da total repressão, do milagre econômico, da Copa do Mundo, do BNH, da Transamazônica e do Brasil Ame-o ou Deixe-o, a ditadura foi fragorosamente derrotada nas eleições de 1974 para o Senado.

RAZÕES CONJUNTURAIS 

Para além de identificar as razões conjunturais para a melhora de Bolsonaro nas pesquisas, precisamos ver o outro lado da moeda. Isso inclui lembrar que, em 2018, a centro-esquerda obteve 45% de votos já no primeiro turno, com Haddad, Ciro e Marina na disputa, repetindo o que ocorreu em 1989, quando Lula, Brizola e Covas enfrentaram Collor, que viria a ser eleito no segundo turno.

É preciso também levar em conta a temporalidade do auxílio emergencial em decorrência da pandemia, que tem impulsionado os índices de aprovação do atual governo, e as contradições entre o programa de Guedes e a degradação nas condições de vida das classes trabalhadoras, particularmente dos 40 milhões de informais, desalentados e desempregados.

A base conceitual das reformas neoliberais é a flexibilização e precarização do trabalho e a retirada de direitos. Não há precedente histórico no pais de uma agressão capitalista de tal magnitude ocorrer sem resistência dos trabalhadores. A aparente passividade atual decorre das condições de isolamento social impostas pela pandemia. O mesmo vale para a resistência e luta contra o obscurantismo e autoritarismo do governo que é causa das contradições entre a direita liberal e Bolsonaro, que vem sendo obrigado a recuar frente as ações do STF, do Congresso Nacional e da mídia monopolista e da própria oposição de esquerda.

NOVO CICLO POLÍTICO

Quando da vitória de Bolsonaro escrevi que era um novo período histórico e um novo ciclo político, não foi apenas pelo reagrupamento das elites politicas e empresariais em torno de um programa de reformas neoliberais, mas pelo caráter abertamente militar, conservador, obscurantista, fundamentalista religioso com base popular e de submissão ao “império” dos Estados Unidos.

Como os fatos vêm demonstrando, não se trata de um luta de curto prazo. Mas contradições já estão aparentes. Volta o fantasma de Geisel, lembrando que, no fundo, Delfim Netto representou uma mudança na politica da dupla Campos-Bulhões. O que temos agora é uma disputa dentro das elites entre o programa de Guedes e o dos militares –isso mesmo, o Pró Brasil–; entre os interesses gerais das classes empresariais e os do núcleo militar e civil que está no poder.

Ao PSDB-DEM-MDB, derrotados nas urnas em 2018, restou o apoio ao programa liberal e radical de Guedes que atende principalmente os interesses do capital financeiro rentista que hoje domina nossa economia. Sócios menores da coalizão conservadora, resta a eles a disputa pelo governo em 2022. Para as esquerdas, trata-se de construir ou reconstruir um programa alternativo ao do Guedes e recompor suas bases sociais e eleitorais em disputa por Bolsonaro, além de superar suas atuais divisões, normais se comparadas com as da direita liberal, da extrema-direita e do centro-democrático.

* José Dirceu de Oliveira e Silva, 74 anos, é advogado. Foi deputado estadual e federal pelo PT e ministro da Casa Civil (governo Lula). Foi condenado em 1ª Instância na Lava Jato a 32 anos e 1 mês de prisão. Aguarda em Brasília a decisão do TRF-4, tribunal de 2ª Instância da Justiça Federal, sobre condenações já proferidas pelo juiz Sérgio Moro na 1ª Instância.

Leonildo Rosas

Related Posts

Uma breve  comparação entre os prefeitos de Rio Branco e Cruzeiro do Sul, ambos do Progressistas

Uma breve comparação entre os prefeitos de Rio Branco e Cruzeiro do Sul, ambos do Progressistas

No pior momento da pandemia, Gladson chuta aliados, abre crise com o prefeito da capital e se lança candidato à reeleição

No pior momento da pandemia, Gladson chuta aliados, abre crise com o prefeito da capital e se lança candidato à reeleição

Editorial da Folha falsifica a história

Editorial da Folha falsifica a história

O HAITI É AQUI

O HAITI É AQUI

No Comment

Deixe uma resposta