Como me convenci de que gostava de correr

Como me convenci de que gostava de correr

É bom para a sua saúde mental e física e não exige qualquer equipamento. Então por que parece tão difícil começar?

Farah Miller / The New York Times – Life/Style, O Estado de S.Paulo

Até recentemente, a única vez que terminei uma corrida foi no Dia do Atletismo, no quinto ano da escola. Eu tentava imaginar como sair da aula de ginástica porque para mim era difícil demais correr um quilômetro e meio. Os esportes em geral não eram a minha praia. Correr, menos ainda. 

Na idade adulta, frequentei academias, fiz aulas e trabalhei com treinadores. Mas nada disso me trouxe alegria ou me fez querer continuar fazendo este tipo de coisa. O máximo de exercício regular que fiz nos últimos dez anos foi uma série de agachamentos com um recém-nascido com cólicas nos braços, após o nascimento do meu primeiro filho.

Então vieramos os lockdowns, e eu surpreendi todo mundo na minha casa, principalmente a mim mesmo, ao me matricular em um grupo local de corrida, cujos membros haviam abandonado as reuniões presenciais para se encontrar virtualmente. Como era um exercício que eu podia fazer sozinha, as condições eram ideais.

Mas para uma novata na corrida, a ideia de que só precisaria enfiar um par de tênis nos pés e ir para a rua é uma grande mentira, que imagino tenha sido inventada por pessoas que começaram a correr depois de desistir do futebol ou do basquete. 

Toda vez, preciso me estimular a correr aqueles horríveis primeiros cinco minutos iniciais. Fico sem fôlego. Músculos que eu não sabia que tinha, doem de uma maneira que nunca imaginei que fosse possível. Fico constrangida quando um vizinho me vê indo pra lá e pra cá na rua. No entanto, não desisto. Posso correr 20 minutos seguidos, e não são tão horríveis. 

Aqui vão algumas coisas que aprendi e que me ajudaram a sair da casa – e continuar, mesmo quando preferiria parar para tomar um café gelado. 

Deixe o ceticismo de lado

Se você é do tipo que faz uma careta para as citações supostamente inspiradoras no Instagram, deixe esta parte de lado durante toda a corrida. Agora compreendo por que osexercícios físicos são em geral tão sérios. Você precisa de mensagens positivas para se dedicar às partes difíceis do exercício. 

Tente um simples exercício mental recomendado por Coffey, cineasta e fundador o DeFine New York Run Club. Pergunte a você mesma: ‘Qual é o meu intuito?’ e ‘Qual é o meu objetivo?’ O “intuito” de Coffey era manter-se em forma; seu objetivo era conseguir acompanhar os seus três filhos. 

“Quero ter energia para quando eles quiserem brincar”, ele dizia. “Não quero ser o pai que diz: ‘Não consigo’ ”. 

Coloque uma voz na sua cabeça

Para convidar este tipo de atitude positiva a entrar no meu sombrio e frio coração, faço as aulas de corrida ao ar livre do aplicativo Peloton, o que é menos caro do que as suas bicicletas ergométricas ou esteiras. Por 20 ou até 60 minutos, tenho um instrutor no meu ouvido me incentivando, tocando a sua música favorita, compartilhando dicas de corrida ou sugerindo quando caminhar. 

“Deixo que as pessoas confiem em mim como treinadora”, disse Becs Gentry, instrutora de corrida do Peloton. Como ela grava as aulas enquanto corre, Becs usa as próprias lutas interiores como motivação. Se ela se sente exausta, diz: “Sei que isto suga a força de uma pessoa, gente,  mas vamos fazer isto juntos. Não me decepcionem”. Ou: “Você consegue fazer isto por três minutos. Pense em todas as coisas que levam mais de três minutos”. 

Se quiser um treinador virtual menos falante, pode usar o treinador do aplicativo 5K, um programa ideal para iniciantes que permite que você escolha personagens como Johnny Dead, um zumbi caçador de cérebros, ou o Runicorn, o unicórnio corredor, para dizer-lhe quando caminhar ou correr. 

Reuse suas roupas sujas

Os especialistas aconselham a dormir com seu uniforme de corrida – calças de compressão inclusive – para que não haja nada entre você e a sua corrida matutina. E, como Tara Parker-Pope explicou em seu 7-Day Well Challenge, acabar com obstáculos como este faz com que seja mais provável que você alcance uma nova meta saudável. Mas não havia como eu dormir com um sutiã esportivo ou sair da cama antes das 7 da manhã para correr. 

O momento de inspiração era quando a mulher que lidera o nosso grupo de corrida, Helen McCafffrey Birney, nos contou pelo Zoom que nem sempre ela usava roupas limpas para correr. Ela usa algumas vezes seguidas suas lindas leggings com bolsos, e não há ninguém mais sensato. Se tem uma coisa que não preciso nesta pandemia é ter mais roupas para lavar (louça vem logo em seguida), então isso é perfeito para diminuir a resistência e o trabalho de casa. 

Se você se sentir ok fazendo isso, só tome cuidado para deixar as roupas usadas num ponto específico do quarto, talvez perduradas em um lugar para que o suor possa secar até o próximo uso. Eventualmente, você deve lavá-las antes que o cheiro chegue antes de você quando entra em uma sala – pela minha experiência, isso acontece depois de usá-las três vezes  

Não corra rápido

Você pode não se considerar uma corredora veloz, mas provavelmente corre mais rápido do que precisa. Acha que está se movendo mais devagar do que se caminhasse? Reduza mais ainda a velocidade. Se sentindo uma tartaruga? Coloque a tartaruga em você em slow motion

Você será capaz de correr por mais tempo assim, e quanto mais devagar você vai, mais você consegue prestar atenção no seu corpo. Aquela dor na sua canela é um alerta, mas não necessariamente que você precisa parar de correr. Talvez você precise pisar diferente ou tentar um alongamento de recuperação diferente. 

Como prêmio, você também irá aprender sobre o que te rodeia. “Correr foi meu GPS”, falou Coffey. Quando ele leva grupos por Nova York, o objetivo nunca é correr velozmente, mas apreciar a cidade. Como sempre gostei de me desafiar a encontrar a direção certa, explorar meu pequeno bairro a pé significou aprender finalmente a conhecer as ruas até a aula de arte dos meus filhos. 

Encontre a sua turma

Encontrar um grupo de “corrida” tranquilo como a de Coffey perto de você será uma sorte. Eles a considerarão responsável sem ser competitiva. E para alguns, ter esse grupo para correr junto é uma motivação por ser algo sociável. 

Mas se você é como eu, e correr com outros seres humanos cria mais pressão em termos de desempenho, entre no grupo on-line. Dê uma olhada em um grupo que está correndo on-line para ver se você se inspira lendo a respeito das experiências dos outros. 

Helen Birney, diretora executiva da Cultivate Health Coaching, disse que há pessoas que ficaram no seu grupo no Facebook  por dois anos antes de decidirem correr. 

Através do Run Across America, um site lançado no ano passado, você pode participar de corridas virtuaiscom um amigo ou uma equipe que arrecada dinheiro para ONGS e acompanhar o seu avanço rumo a uma meta. Poderá até tirar uma “selfie suada” com o aplicativo toda vez que terminar a corrida. 

Para Helen, tirar uma foto é fundamental. Quando ela transferiu o seu programa on-line, começou a pedir a todos que compartilhassem fotos depois de terminar uma corrida. Agora, o feed do grupo está repleto de imagens bagunçadas de mulheres como eu. Nós postamos nossas fotos com muito orgulho, e começaram a chegar as curtidas e os parabéns . Esta camaradagem talvez seja a maior motivação que já encontrei. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Leonildo Rosas

Related Posts

Ministério da Saúde ignorou por três dias pedido de oxigênio do Acre

Ministério da Saúde ignorou por três dias pedido de oxigênio do Acre

AGU prepara nova ação no Supremo contra restrições de governadores e prefeitos na pandemia

AGU prepara nova ação no Supremo contra restrições de governadores e prefeitos na pandemia

Avanço da vacinação contra a covid aumenta a desigualdade no mundo

Avanço da vacinação contra a covid aumenta a desigualdade no mundo

Capitão Brancaleone

Capitão Brancaleone

No Comment

Deixe uma resposta