Base manobrou e esperneou, mas a CPI da Energisa nasceu; o próximo desafio será a instalação

Base manobrou e esperneou, mas a CPI da Energisa nasceu; o próximo desafio será a instalação

Bateu o desespero na cúpula do governo.

Está valendo tudo para tentar barrar a instalação da CPI da Energisa.

Hoje, por exemplo, compareceram à sessão apenas dois membros da mesa diretora e o quase líder do governo José Luiz Tchê.

Os demais deputados presentes eram da oposição ou apoiam abertamente a CPI, como Roberto Duarte.

Embora tenham se acovardado, os governistas apresentarem protocolo para abertura de seis CPIs.

Propuseram CPI para o Detran, Pró-Saúde, HUERB, Juruá Peixes. Fábrica de Pisos de Xapuri e Empréstimos Consignados.

Durante a semana chegaram a ameaçar investigação no Depasa, mas parece que os negócios falaram mais alto.

Empresas de primos do governador executaram e ainda estão executando obras contratadas pela autarquia.

Até nisso são seletivos.

Uma investigação no Depasa inviabiliza recursos do Banco Mundial. Tudo é questão de conta.

Mas essa história do governo é uma clara tentativa de intimidação aos deputados de oposição.

Os oposicionistas não arregaram. E disseram que assinam as CPI propostas pela base aliada.

O que não aceitarão é intimidação.

Nem que haja tentativa de burlar o Regimento Interno da Assembleia Legislativa.

Quando apresentaram a meia dúzia de requerimentos, os deputados que apoiam Cameli queriam apagar a CPI da Energisa.

Alegaram que haviam protocolado as seis antes da proposta pela oposição.

Até o choroso deputado Cadmiel Bonfim (PSDB) protocolou um requerimento. Quer investigar o Detran.

Outro tucano que pediu abertura da CPI foi Luiz Gonzaga, que quer apurar empréstimos consignados.

Para mostrar serviço, o pedetista José Luiz Tchê apresentou três requerimentos.

Erraram nos cálculos.

Erraram na leitura.

Mostraram desconhecimento regimental.

O primeiro protocolo da CPI da Energisa está valendo.

O Regimento Interno prevê que só podem funcionar três CPIs simultaneamente, por legislatura.

Esse número só pode ser aumentado se a maioria absoluta dos deputados aprovar o funcionamento de até outras três ao mesmo tempo.

O petista Daniel Zen e o comunista Edvaldo Magalhães foram fundamentais para que a manobra aliada não lograsse êxito.

Contaram com o empenho do medebista Roberto Duarte.

Causa estranheza essa obsessão do governador para apagar a investigação.

Embora seja de domínio público que as empresas da família Cameli têm milhões em contratos no negócio de energia.

Os contratos são no Amazonas e no Mato Grosso.

No Mato Grosso, aliás, a subsidiária responsável é a Energisa.

Também há previsão de investimentos no Luz para Todos e no Linhão até Cruzeiro do Sul.

Há muito dinheiro envolvido.

Mas a CPI nasceu.

Foi feita a leitura do requerimento.

Amanhã será publicado o ato da mesa diretora.

A próxima batalha será pela instalação.

Fotos de Sérgio Vale.

Leonildo Rosas

Related Posts

Leo de Brito cobra medidas urgentes do governo federal para evitar apagão no Acre

Leo de Brito cobra medidas urgentes do governo federal para evitar apagão no Acre

Daniel Zen questiona falta de reajuste salarial dos professores nos dois anos de governo de Gladson

Daniel Zen questiona falta de reajuste salarial dos professores nos dois anos de governo de Gladson

Leo de Brito visita municípios do Alto Acre e reafirma parcerias

Leo de Brito visita municípios do Alto Acre e reafirma parcerias

Edvaldo Magalhães solicita ao Procon/Acre que fiscalize assédio do Avancard aos servidores públicos

Edvaldo Magalhães solicita ao Procon/Acre que fiscalize assédio do Avancard aos servidores públicos

No Comment

Deixe uma resposta

Colunistas

Encontre-nos

Endereço
Av. Paulista, 123456
São Paulo, SP, CEP: 01311-300

Horário
Segunda—sexta: 9h–17h
Sábados e domingos: 11h–15h