fallback-image

Ashaninkas lutam por justiça após destruição de parte do seu território nos anos 1980

Entre 1981 e 1987, uma empresa da família Cameli,de Cruzeiro do Sul, destruiu parte do território dos Ashaninkas, em Marechal Thaumaturgo. Após ajuizada pelo Ministério Público Federal, em 1996, a ação civil pública com pedido de reparação por dano ambiental está prestes a ser julgada pelo Superior Tribunal Federal (STF).

Antes de chegar ao STF, a ação havia sido julgada já pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), com ganho de causa para o povo ashaninka. A multa para o grupo empresarial seria superior a R$ 20 milhões.

Em vídeo, Francisco Piyãko, uma das lideranças daquele povo, conta detalhes da destruição causada pela extração ilegal de madeira na Terra Indígena (TI) Kampa do Rio

Amônia.

Hugo Costa

Related Posts

Coronavírus nos EUA se depara com Trump e um frágil sistema de saúde

Coronavírus nos EUA se depara com Trump e um frágil sistema de saúde

“O político que nega o seu passado é um desonesto”, diz Rodrigo Forneck sobre postura de Minoru

“O político que nega o seu passado é um desonesto”, diz Rodrigo Forneck sobre postura de Minoru

Vídeo atacando a família de Bestene tem digitais de fogo amigo

Vídeo atacando a família de Bestene tem digitais de fogo amigo

Dedução no IR de gastos com empregados domésticos é extinta

Dedução no IR de gastos com empregados domésticos é extinta

No Comment

Deixe uma resposta

Beco Sem Saída

Não foi fornecido um URL válido.

Publicidade

Publicidade