O conhecido advogado Sanderson Moura surpreendeu a todos nesta terça-feira, 14, ao disparar sua bazuca com duras críticas ao governo de Gladson Cameli. Sempre eloquente e polêmico, Moura andava meio ausente das páginas dos tablóides políticos acreanos, mas ressurgiu em grande estilo:

“Primeiro, falta nele preparo intelectual, capacidade para ler o mundo; segundo, liderança sólida; terceiro, consciência pública do lugar que ocupa; quarto, maturidade política; quinto, conhecimentos basilares de gestão e projeto de governo; sexto, vontade de superar todas as limitações acima”, disparou Moura em uma publicação feita no Facebook.

A “cirúrgica” publicação resume em cinco pontos e poucas palavras os 134 dias de governo do pepista e do seu vice tucano major Rocha: falta experiência e noções mínimas sobre o que é administração pública.

A rotina de nomeações posteriormente tornadas sem efeito por quem as outorgou, além das inúmeras trapalhadas e atropelos nas decisões de seu secretariado, traduzem um governo fraco e sem rumo. Tamanho amadorismo começa a incomodar também aqueles que fizeram oposição em governos passados e que de alguma forma colaboraram para a construção desse grupo que agora comanda o Estado.

Outrora aliado – não necessariamente do atual ocupante da cadeira do Palácio Rio Branco, a quem deixa claro sua total falta de afinidade e sentimento de representatividade – mas sim do grupo político que hoje governa o Acre, Moura foi por muito tempo militante tradicional do PMDB, desde quando ainda era professor.

“Suponhamos que ele tenha vontade de superar as limitações narradas: 10 anos de estudo e prática, pelo estado atual em que se encontra, ainda seria pouco para ele chegar a uma nota próxima de 5. Um estadista não se forja no oba-oba de discursos vazios; nem o sobrenome substitui o talento individual“, diz o trecho final do texto de Moura.

Já dizia um velho provérbio popular: “pior que um inimigo declarado são as verdades proferidas por um ex-aliado“.